Promotor de Justiça cobra da Prefeitura de Salgueiro explicações sobre suspensão de concurso e contratação de 56 professores sem seleção

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio do promotor de Justiça Jairo José de Alencar, instaurou no início dessa semana um Procedimento Administrativo a respeito do concurso público da AEDS/Fachusc, que a Prefeitura de Salgueiro realizou em 2020. A promotoria cobra da administração municipal explicações sobre a suspensão do concurso e questiona porque a presidente da AEDS contratou 56 professores sem processo seletivo.

No dia 15 de janeiro de 2021, o prefeito de Salgueiro suspendeu o concurso da AEDS/Fachusc por 180 dias alegando, entre diversos pontos, a necessidade da análise da documentação do certame para conferir sua legalidade e a necessidade de ordenar atos administrativos, em especial no que tange ao impacto financeiro. Acontece que findado o prazo, o prefeito não deu continuidade ao concurso.

O promotor expediu ofício requisitando que o prefeito informe, em 20 dias, os resultados obtidos referentes ao estudo de impacto financeiro, se foram detectadas irregularidades na realização do certame e se houve ato prorrogando a suspensão. Em caso negativo, o gestor municipal deve esclarecer se o certame será retomado. Mais informações na edição dessa quinta-feira, 23, do Diário Oficial Eletrônico do MPPE.

Da redação do Blog Alvinho Patriota

3 comentários sobre “Promotor de Justiça cobra da Prefeitura de Salgueiro explicações sobre suspensão de concurso e contratação de 56 professores sem seleção

  1. Aprovado fachsuc

    Parabéns ao promotor, os aprovados agradecem. Essa disgestão só pensa na mamata com essas peixadas e tiram o direito daqueles que realmente batalharam com muito dificuldade para conseguir a aprovação.

  2. Gilvan

    Parabéns promotor, essa era mas uma jogada política pra sastifazer ao seu curral eleitoral, esperamos que os verdadeiros concursados seja tomado posse pra assumir seus devidos cargos tão esperado!!

  3. Aprovado

    obrigado ao promotor, esse concurso foi suspenso ilegalmente para atender nomeações de comissionados que não foram aprovados ou sequer fizeram as provas. O princípio da impessoalidade não serve para o Prefeito do Município?