Covid-19: Brasil registra 938 mortes e 24.619 novos casos em 24 horas

O Brasil registrou, nesta segunda-feira (3), 938 mortes por covid e 24.619 novos casos, de acordo com os dados enviados pelos estados ao Ministério da Saúde e ao Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde). É a primeira vez, em semanas, que o país fica abaixo dos mil óbitos diários.

Com o balanço de hoje, o país contabiliza 408.622 mortes e 14.779.529 pessoas que já foram diagnosticadas com a doença. São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul são os estados com o maior número de óbitos, respectivamente.

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 13 milhões de pessoas já se recuperam da covid-19 no país.

Segundo o Conass, a taxa de letalidade do coronavírus no Brasil é de 2,8% e a taxa de mortalidade por cada 100 mil habitantes é de 194,4. A média móvel de óbitos nos últimos 7 dias é de 2.348 e a média móvel de novos casos é de 58.587.

Fonte: R7

Lewandowski suspende vacinação prioritária para policiais e professores no Rio

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski cassou a liminar do presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Henrique Figueira, que autorizava o governo estadual a priorizar a vacinação de professores e de profissionais da área de segurança.  Ele determinou a obediência às normas  do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19.

Na decisão, ele também afirmou que a falta da aplicação da segunda dose da vacina pode, em tese, caracterizar a improbidade administrativa dos gestores da saúde pública local, “caso sejam desperdiçados os recursos materiais e humanos já investidos na campanha de vacinação inicial”.

Ele garantiu o direito à segunda dose dos profissionais já imunizados. Para Lewandowski, adaptações ao plano de vacinação devem levar em conta as “evidências científicas e análises estratégicas em saúde”  e devem explicitar quantitativa e qualitativamente as pessoas que serão preteridas, estimando o prazo em que serão, afinal, imunizadas.”

A decisão do ministro do STF atendeu a um pedido da Defensoria Pública e do Ministério Público do Rio de Janeiro, e restaurou decisão da primeira instância da Justiça estadual. O decreto autoriza que tais profissionais fossem vacinados antes da imunização integral de idosos, pessoas com comorbidades, deficiência, população em situação de rua e presos.

Fonte: CNN

Único estado com alta em mortes confirmadas, PE registra maior número de doentes em UTI desde início da pandemia

A rede pública de saúde de Pernambuco registrou, no sábado (1º) e domingo (2), o maior número de doentes em leitos de UTI para Covid-19, desde o início da pandemia, em março de 2020. No fim de semana, o estado era o único no país a ter tendência de alta na média móvel de confirmações de mortes, apesar de não ser a unidade da federação com o maior número de óbitos no Brasil.

Os dados são do consórcio de veículos de imprensa, da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) e da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag-PE).

O estado chegou a essa tendência de alta nos óbitos ao atingir 80 mortes confirmadas por dia. Esse dado consta na média móvel usada para analisar os dados da Covid-19 em intervalos de duas semanas.

Isso diz respeito a mortes por Covid-19 que podem ter acontecido antes, mas foram confirmadas em abril.

Já o alto índice de internação em leitos de UTI na rede pública foi motivado pelo número de pessoas que desenvolveram Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

No sábado (1º), houve um recorde de internados em UTIs de toda a pandemia, com 1.596 doentes nesses leitos.

A enfermeira Thaíse Melo afirmou que os profissionais de saúde estão exaustos e que estão tratando pacientes jovens, que não tinham comorbidades e estão fora do perfil que era considerado de risco.

“Lidamos com famílias e com a aflição de pacientes. Nós, profissionais, estamos deixando as nossas famílias para cuidar do próximo e estamos cansados, precisamos de ajuda. Por favor, entendam que a pandemia não acabou”, desabafou.

Em abril deste ano, 1.241 morreram de Covid-19 em Pernambuco. No mesmo mês do ano passado, faleceram 1.101 pessoas. Isso significa 13% a menos que no mês que acaba de terminar.

O índice chama a atenção das autoridades de saúde, já que, no ano passado, ainda não era obrigatório o uso de máscaras, como agora.

Além disso, os profissionais de saúde não conheciam os recursos para tratar os pacientes de Covid-19 disponíveis hoje e também não havia vacina.

Fonte: G1PE