Vida FM Asa Branca Salgueiro FM Salgueiro FM

Maduro recorre a Putin e vai a Moscou em meio à crise com Guiana e EUA

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, decidiu recorrer ao seu maior aliado externo, Vladimir Putin, em meio à crescente crise com a Guiana.

Maduro está sendo esperado em Moscou no domingo (10) ou na segunda (11), onde deverá encontrar-se com o presidente russo no Kremlin. A viagem traz a Rússia, adversária dos EUA, para dentro da crise na América do Sul.

O objetivo é simbólico, de mostrar apoio à ditadura de Caracas em meio a uma crise provocada pelo governo de Maduro, que no domingo (3) promoveu um plebiscito visando anexar a região guianense de Essequibo, que corresponde a 70% do território do país vizinho.

A área é disputada desde o século 19 pela Venezuela e há uma arbitragem determinada pela ONU sobre o caso, mas o interesse venezuelano cresceu após a descoberta de uma reserva quase equivalente à brasileira de petróleo no mar junto a seu litoral, em 2015. O início da exploração pela americana ExxonMobil, em 2019, tem se revertido em um aumento brutal no PIB da pequena Guiana.

Na terça (5), Maduro anunciou passos para anexar Essequibo, ao arrepio da lei internacional. Divulgou um novo mapa venezuelano, incorporando a região, nomeou um general como governador regional e disse que a petroleira estatal do seu país iria conceder licenças de exploração dos recursos do vizinho.

A retórica atende a necessidades eleitorais: Maduro enfrenta pressão para liberar a oposição para concorrer nas eleições presidenciais de 2024, e o baixo comparecimento (50% oficialmente) ao plebiscito demonstrou a necessidade de galvanizar apoio —e Essequibo é um tema que une até a oposição ao governo.

A Guiana, que é um nanico militar com apenas 3.400 soldados, denunciou a ilegalidade do movimento e se colocou em alerta total. Países da região, como o Brasil, instaram as partes a dialogar e evitar uma escalada. Os EUA, que já haviam tratado da crise com Georgetown antes do plebiscito, resolveram ser menos sutis.

Nesta quinta (7), Washington anunciou que patrocinou uma manobra militar na Guiana, com o sobrevoo de aeronaves pela região. Tudo foi divulgado pela diplomacia, não pelo Departamento de Defesa, dando o caráter de tiro de advertência ao movimento —que, de todo modo, acabou por ajudar o jogo retórico de Maduro.

Fonte: Folha de S. Paulo