Vida FM Asa Branca Salgueiro FM Salgueiro FM

Governo anuncia R$ 5,5 bilhões para universidades e Lula pede fim da greve dos professores

Em evento com reitores e ministros nesta segunda-feira (10), o governo anunciou investimentos de R$ 5,5 bilhões para as universidades e institutos federais. Com recursos do Novo PAC, o Ministério da Educação vai investir até 2026 R$ 3,17 bilhões em obras novas e na retomada daquelas que estavam paralisadas. E também R$ 600 milhões na expansão de 10 novos campi. E R$ 1,75 bilhão na construção e reformas de hospitais universitários.

O ministro da Educação, Camilo Santana, que conduziu o evento nesta manhã e fez os anúncios, informou que serão feitas 37 obras em 31 hospitais para ensino e atendimento à população. Além disso, serão destinados recursos para oito novos hospitais universitários.

Além dos R$ 5,5 bilhões, foram anunciados R$ 400 milhões para custeio na rede federal de ensino superior. Serão R$ 279,2 milhões para universidades e R$ 120,7 milhões para institutos federais.

O evento do PAC com os reitores ocorreu em meio à greve de professores e outros servidores da educação superior federal. No caso dos professores já dura quase dois meses. Os técnico e administrativos dos institutos federais, por sua vez, estão em greve desde 11 de março.

Greve nas universidades

A reitora da Universidade de Brasília (UnB), Márcia Abrahão Moura, fez um apelo ao governo, pelo fim da greve. “São trabalhadoras e trabalhadores essenciais para darmos conta de todos os desafios do país e que possuem remunerações muito defasadas, como o senhor bem sabe. Ainda mais quando comparamos com algumas carreiras que tiveram reajuste recentemente. Têm técnicos-administrativos que chegam a ganhar menos do que um salário mínimo”, disse.

Os sindicatos das categorias em greve protestaram na frente do Planalto durante a reunião desta manhã. Os técnicos-administrativos devem voltar a se reunir nesta terça (11) com representante do governo. Eles reivindicam 117% de correção. Os docentes pleiteiam aumento salarial de 22%, dividido em três anos (7,06% em cada um, começando em 2024).

Ao fechar o evento, o presidente Lula fez um apelo aos trabalhadores em greve, em especial os professores. “Sei que não é o caso de falar com os reitores aqui sobre essa questão da greve. Mas ela tem um tempo de começar e um tempo pra terminar. A única coisa que não se pode permitir é que uma greve termine por inanição. Porque se terminar, as pessoas ficam desmoralizadas: o dirigente sindical tem de ter coragem de propor, de negociar e de tomar decisões que muitas vezes não é o que ele gostaria”, disse, fazendo um paralelo com experiência como líder sindical. “Eu muitas vezes fiquei sem nada quando fui para o tudo ou nada”.

E se dirigiu aos docentes com as atividades paralisadas: “Nesse caso da educação, se vocês analisarem o conjunto da obra, vão perceber que não há muita razão para o tanto que essa greve está durando. Por que quem está perdendo não é o Lula, não é o reitor. É o Brasil e os estudantes. É isso quem tem de ser levado em conta. Vocês conhecem o que foi oferecido? Se não vamos estar falando de universidades e institutos e os alunos vão estar à espera de voltar a sala de aula”, ponderou.

Fonte: Rede Brasil Atual