Vida FM Asa Branca Salgueiro FM Salgueiro FM

Comprou 29 imóveis: padre suspeito de desviar R$ 140 milhões se entrega na PB

O padre Egídio de Carvalho Neto, 56, suspeito de desviar recursos de entidades filantrópicas, se entregou à polícia em João Pessoa na manhã desta sexta (17). Mais cedo, o Tribunal de Justiça da Paraíba havia expedido mandado de prisão contra ele.

Segundo as investigações, o padre teria sido responsável por apropriação de dinheiro do hospital e do Instituto São José, que atende pessoas pobres pelo SUS, e da Ação Social Arquidiocesana. Com o dinheiro, diz a apuração, usufruiu e adquiriu diversos bens de luxo, entre eles 29 imóveis de alto padrão em três estados. As investigações, porém, ainda estão em curso.

Em nota, a promotoria afirmou que “as investigações revelam um esquema de desvios de recursos públicos estimados em cerca de R$ 140 milhões. Esses desvios (…) ocorreram entre 2013 e setembro deste ano. As operações ilícitas afetaram gravemente o Hospital Padre Zé, comprometendo o atendimento a populações carentes e necessitadas.”

A ordem de prisão foi dada nesta sexta-feira (17) pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida, que atendeu pedido do MP (Ministério Público) da Paraíba.

“Presentes a prova da materialidade delitiva e indícios de autoria, aliados à necessidade da custódia para garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou, ainda, para assegurar a aplicação da lei penal, resta autorizada a imposição da segregação cautelar [prisão]”, diz a Ordem de Prisão.

Desvios e luxo

Segundo a investigação, o padre Egídio recebia salário pela gestão do hospital em torno de R$ 15 mil. Entretanto, entre janeiro de 2021 e setembro de 2023, passaram pela conta dele de R$ 4,5 milhões, o que dá uma média de R$ 140,9 mil por mês. A quantia desviada pode ser muito maior, como estipula a nota da promotoria.

Além da grande quantia, o padre adquiriu bens de alto padrão incompatíveis com sua renda formal.

O padre responde a processo canônico, que pode resultar em sua expulsão da Igreja Católica. Duas mulheres atuaram com ele na administração do hospital e são suspeitas de ajudar no desvio de recursos.

Fonte: UOL