Vida FM Asa Branca Salgueiro FM Salgueiro FM

CNJ decide se juízes podem proibir menores de sair às ruas de noite

Adotado por juízes de diversas cidades de interior no País desde o começo do ano, o toque de recolher rendeu polêmica. No CNJ, a posição é bem dividida. Há dois meses, o Conselho suspendeu a portaria do juiz de Patos de Minas (MG) que proibia a circulação de menores desacompanhados ou sem a autorização dos pais. Como nem todos os conselheiros estavam presentes à sessão e o placar foi apertado, com diferença de apenas um voto, o quadro pode mudar.

Parte dos conselheiros entende que a proibição é legal e tem base no próprio Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). De acordo com o ECA, o juiz pode disciplinar, por meio de portaria, a participação de menores em eventos públicos e a permanência deles, sem os pais, em determinados locais. Logo, também pode restringir sua circulação. Quem está do outro lado sustenta que o juiz só pode proibir os menores de entrar em lugares determinados, mas não impedi-los de circular genericamente.

A defesa das portarias encontra ressonância em alguns setores sociais. Conceição Paganele, presidente da Associação de Mães e Amigos da Criança e do Adolescente em Risco (Amar), defende a proibição. “É triste que a Justiça deva chegar a esse ponto, mas crianças e adolescentes não devem sair às ruas de madrugada sem os pais”, afirma.

A maioria das entidades e organismos de proteção de crianças e adolescentes, contudo, condena as medidas. Para o advogado Ariel de Castro Alves, do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), a proibição é “ilusória, demagógica, oportunista e não visa resolver os problemas das crianças, mas sim escondê-los”.

Na sessão desta terça, o CNJ julgará a restrição à circulação de menores instituída nas cidades de Itajá (GO), Nova Andradina e Anaurilândia (MS), Santo Estevão (BA), Fernandópolis (SP) e, novamente, Patos de Minas (MG). Mas a decisão terá reflexos futuros em todas as cidades que adotam a medida.

Fonte: Último segundo