Onda de ataques em Fortaleza é ‘terrorismo’, diz Camilo Santana

O governador do Ceará, Camilo Santana, classificou como terrorismo a onda de ataques a ônibus e prédios públicos ocorridos nos últimos dois dias, quarta (19) e quinta-feira (20), na Grande Fortaleza. Segundo Camilo Santana, onze envolvidos nos crimes foram presos e o policiamento na cidade foi reforçado, inclusive com a atuação de policiais que estavam de folga e precisaram voltar ao trabalho. Ao todo, 22 ônibus, três delegacias e uma agência bancária foram atacados.

“O que está acontecendo é terrorismo e isso vai ser combatido. Estamos com o comando nas ruas comandando todas as ações desde ontem. Estamos com um grande efetivo nas áreas dos ataques, com o aumento do policiamento e com a presença das forças especiais do Raio e Choque. Nossa grande preocupação é a população”, destacou Camilo.

Sobre as motivações dos ataques, Camilo Santana apontou que trata-se de uma represália a ações adotadas pelo Governo Estadual na área da Segurança Pública. Apesar de não detalhar as ações, o governador disse que “o trabalho da polícia vem incomodando a criminalidade”.

Transferências de presos e mudanças nos presídios também foram apontadas como causa dos ataques. Uma carta deixada no local de um dos incêndios como sendo motivação para os ataques. A Secretaria da Segurança não confirmou relação com problemas em presídios e diz que as motivações estão sendo investigadas.

“Até agora já foram 11 pessoas presas. O que eu tenho colocado é que isso é uma reação às ações da polícia. A polícia está incomodando pela força maior que o estado está fazendo para combater a criminalidade. E isso não vai intimidar o Estado nem a Secretaria da Segurança Pública. Quem tem a força é o Estado. Criminosos têm que estar na cadeia”, afirmou.

Fonte: G1