Plantão Covif-19: Lista dos serviços essenciais conforme Decreto Presidencial

Top 10: Notícias mais acessadas de 16/03/2020 a 20/03/2020

1 – Salgueiro sai da lista de municípios pernambucanos com casos suspeitos de coronavírus

2 – Dr. Luiz Henrique diz que população de Salgueiro não deve entrar em pânico por conta do coronavírus

3 – Pronto Socorro São Francisco notifica casos suspeitos de coronavírus em Salgueiro

4 – Dr. Chico decreta Situação de Emergência em Saúde Pública no município de Salgueiro

5 – Secretaria Municipal de Saúde informa que Salgueiro registra quatro casos suspeitos do novo coronavírus

6 – Prefeitura de Salgueiro fechará parceria com forças policiais para impedir aglomerações acima do permitido

7 – Artistas autônomos salgueirenses acatam decretos, deixam de fazer shows e dizem que estão de mãos atadas

8 – Hospital Regional de Salgueiro não vai internar casos graves de coronavírus

9 – Sertão pernambucano não registra casos confirmados do novo coronavírus

10 – Mudança de metodologia da Secretaria Estadual de Saúde tirou Salgueiro da relação de municípios com casos suspeitos de coronavírus

Coronavírus: o que as grandes economias do mundo estão fazendo para evitar falências e a falta de dinheiro

A pandemia de coronavírus desencadeou uma crise econômica que cresce como uma avalanche.

Com a Europa se tornando o epicentro da pandemia e os Estados Unidos em uma emergência nacional, os governos estão colocando o pé no acelerador para tentar limitar o impacto econômico devastador da disseminação do coronavírus pelas famílias, trabalhadores e empresas.

À medida que mais países fecham suas fronteiras e declaram quarentena para impedir a disseminação do vírus, a atividade econômica afunda. Empresas dos setores mais afetados, como companhias aéreas, hotéis e restaurantes, alertam que podem quebrar. Muitos trabalhadores estão perdendo seus empregos e as bolsas ainda estão em queda livre.

Os governos estão aplicando restrições à livre circulação nas ruas — medidas que não não vistas desde a Segunda Guerra Mundial. E, embora o epicentro da crise da saúde esteja na Europa, os Estados Unidos já declararam estado de emergência. Na América Latina, os países com as pessoas mais infectadas estão seguindo o mesmo caminho.

Como não se sabe por quanto tempo a pandemia pode se espalhar, é difícil para as autoridades calcular quanto dinheiro podem injetar nas economias e que medidas emergenciais podem ser adotadas para mitigar os efeitos mais imediatos sobre a renda das pessoas.

O que acontecerá com os desempregados, trabalhadores autônomos, informais e pequenas empresas?

Como as famílias pagarão o aluguel e o supermercado?

E o que acontecerá às gigantes multinacionais que movimentam as cadeias produtivas internacionais e que agora começaram a paralisar suas fábricas?

Ajuda financeira

Os líderes europeus disseram que estão prontos para investir “o que for preciso” para salvar as economias de uma grande catástrofe.

“Acho que o crucial é que os governos não deixem empresas em insolvência falirem e demitirem trabalhadores”, disse Vicky Redwood, analista sênior da consultoria britânica Capital Economics.

“Os programas de garantia de empréstimos são um bom começo, mas os governos devem garantir que todas as empresas possam acessar ajuda financeira”, disse ele à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC..

No entanto, a grande questão aponta para qual é o limite. Isto é, quanto os orçamentos fiscais resistem se a pandemia não diminuir nas próximas semanas e durar meses?

A resposta para essa pergunta ainda é um mistério.

Maurice Obstfeld, professor de economia da Universidade de Berkeley e pesquisador do Instituto Peterson de Economia Internacional, diz que, no caso dos Estados Unidos, que está planejando uma série de medidas de emergência com fundos fiscais, é necessário ter cuidado na distribuição de ajuda financeira.

“Existe o perigo de que o dinheiro vá para lugares errados”, explica ele, citando como exemplo a ideia da Casa Branca de suspender o pagamento dos impostos dos trabalhadores, uma vez que terá muito pouco efeito sobre as pessoas com renda mais baixa.

“Precisamos fortalecer as redes de proteção social, manter as empresas e dar incentivos para que elas não demitam trabalhadores”, diz o acadêmico.

Obstfeld argumenta que a reação do governo alemão está indo na direção correta, mesmo que os governos tenham que aumentar seus déficits fiscais.

“Não é hora de se preocupar com isso.”

Estas são algumas das medidas de emergência que estão sendo aplicadas (ou aguardando aprovação do parlamento) nos Estados Unido, Europa e nas maiores economias da América Latina:

Estados Unidos

O presidente Donald Trump invocou na quarta-feira uma lei de 1950 que permite a intervenção comercial. O objetivo é mobilizar a produção privada para combater o coronavírus, o que poderia, por exemplo, obrigar a indústria a produzir suprimentos médicos essenciais.

O governo suspendeu execuções hipotecárias e despejos até o final de abril.

Essas novas iniciativas emergenciais aumentam o plano proposto pela Casa Branca de injetar mais de US$ 1 trilhão na economia, projeto que está sendo negociado no Congresso. O programa inclui o envio de cheques de US$ 1.000 diretamente aos cidadãos mais vulneráveis, para aumentar o consumo.

O Federal Reserve (banco central dos EUA), além de reduzir as taxas de juros para quase 0 e injetar liquidez no valor de US$ 700 milhões no mercado com a compra de títulos do tesouro e hipotecários, anunciou que retomará seu programa de compra de dívida corporativa, implementado pela primeira vez durante a Grande Recessão de 2008.

Europa

O Reino Unido anunciou que garantirá US$ 400 bilhões em empréstimos garantidos pelo governo a empresas afetadas pela pandemia.

A medida representa cerca de 15% do Produto Interno Bruto do país. Também suspenderá pagamentos de hipotecas por três meses para pessoas com dificuldades financeiras e injetará bilhões em ajuda direta e subsídios a pequenas empresas, além de isenções fiscais por um ano.

A Espanha anunciou a mobilização de quase 20% do PIB para combater os efeitos econômicos da pandemia, com contribuições públicas e privadas. O Estado abrirá uma linha de garantias disponíveis para as empresas mais afetadas.

Para ajudar as pessoas, o governo espanhol estabeleceu uma moratória sobre pagamentos de hipotecas, ajuda financeira a trabalhadores independentes e empresas com perdas graves, isenção de pagamentos à Previdência Social, suspensão do corte de água e serviço de internet para aqueles que não podem pagar e direcionar ajuda a famílias com menos recursos financeiros.

Na França, o plano econômico de emergência inclui a entrega imediata de recursos a trabalhadores e empresas, a implementação de garantias fiscais para empréstimos e medidas específicas para proteger as empresas ameaçadas, incluindo a estatização, se necessário.

O governo fornecerá benefícios aos trabalhadores autônomos e pagará por dois meses a remuneração dos funcionários parcialmente desempregados devido ao coronavírus.

O plano também inclui um “fundo de solidariedade” para pequenas empresas cuja renda caiu substancialmente. Encargos e contribuições tributárias para empresas também serão diferidos, com a possibilidade de serem cancelados nos casos mais extremos.

O governo italiano também anunciou a suspensão do pagamento de hipotecas, auxílio financeiro às empresas afetadas, entrega de dinheiro aos trabalhadores autônomos afetados, subsídios aos desempregados, suspensão temporária das obrigações fiscais para empresas e cidadãos, proibição de demissões por dois meses, extensão da licença parental e entrega de um bônus para que os pais que precisam trabalhar paguem pelo cuidado de seus filhos.

Além disso, o país também está estudando um projeto para estatizar a companhia aérea Alitalia.

A Alemanha surpreendeu os analistas ao se distanciar de seu tradicional dogma da disciplina orçamentária, anunciando medidas excepcionais. O plano contempla a concessão de crédito “ilimitado” às empresas, por meio de garantias bancárias públicas aos empresários, para evitar a falência. Os empregadores também têm financiamento público para reduzir o número de horas que seus funcionários trabalham devido à queda na produção.

O governo explicou que todas as empresas, pequenas, médias e grandes, poderão acessar o auxílio. O plano também contempla o adiamento do pagamento de impostos.

América Latina

Na Argentina, o governo anunciou nesta semana aumentos nos subsídios para pessoas pobres, aposentados, mulheres desempregadas e grávidas em situações de vulnerabilidade. Também ordenou um investimento de US$ 1,5 bilhão em obras públicas, habitação e turismo, na tentativa de enfrentar as consequências econômicas da pandemia.

As medidas incluem também a prestação de ajuda financeira e créditos a pequenas e médias empresas.

O México descartou o fechamento de aeroportos para conter a pandemia de coronavírus, argumentando que está tentando evitar uma quebra completa da economia, o que “prejudica os pobres”. Para enfrentar a crise, o país ajustará o orçamento do governo e vai expandir os programas sociais, como subsídios para idosos.

O México está em uma situação complexa diante da recessão econômica que pode afetar os Estados Unidos, seu principal parceiro comercial, além da drástica queda nas receitas de sua companhia estatal de petróleo Pemex. O setor de turismo, importante na economia local, também sofreu uma queda brusca.

No Brasil, o governo solicitou ao Congresso que aprovasse “estado de calamidade pública” no país, medida que permitirá maior liberdade na gestão do orçamento para enfrentar a pandemia. A medida foi aprovada nessa sexta-feira.

Além disso, o Ministério da Economia do Brasil anunciou nesta semana um plano para injetar R$ 147,3 bilhões na economia.

O governo Jair Bolsonaro também anunciou um voucher de R$ 200 para trabalhadores informais por três meses.

Milhões de empregos serão perdidos

Por outro lado, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) alertou na quarta-feira que a pandemia pode acabar com até 24,7 milhões de empregos em todo o mundo, excedendo os efeitos da crise financeira de 2008, que desencadeou a eliminação 22 milhões postos de trabalho.

“Não é mais apenas uma crise global de saúde, é uma grave crise econômica e trabalhista que está causando forte impacto nas pessoas”, disse Guy Ryder, diretor-geral da OIT.

Mas se os governos estão jogando a maioria de suas cartas para fornecer oxigênio à economia, o que mais pode ser feito?

Segundo Maurice Obstfeld, professor de economia da Universidade de Berkeley, a chave está na ação fiscal coordenada e oportuna.

“A confiança do consumidor e do mercado aumentaria se houvesse mais cooperação entre governos”, diz ele.

E não se trata apenas de cooperação econômica, alerta Obstfeld, mas também de planos de saúde pública, como o desenvolvimento de vacinas e testes internacionais para controlar a pandemia.

“Mas se os países caírem em recriminações e abordagens egoístas, corremos o risco de fragmentar ainda mais a economia mundial, o que pode persistir muito além da crise”, diz Obstfeld.

Fonte: BBC Brasil

Pernambuco tem mais dois casos de cura clínica do coronavírus

O Governo de Pernambuco confirmou neste sábado mais dois casos de cura clínica do novo coronavírus. Assim, sobe para três o número de pessoas recuperadas da Covid-19 no estado. As duas pessoas curadas são uma adolescente de 16 anos, que foi diagnosticada com a Covid-19 após retornar de uma viajem aos Estados Unidos, e uma mulher de 30 anos que não tinha histórico de viagem anterior. Ambas estavam em isolamento domiciliar.

Na última sexta-feira (20), a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) havia anunciado o primeiro caso de recuperação do novo coronavírus no estado. Uma mulher de 66 anos, residente da cidade do Recife, que, junto com o marido, foram as duas primeiras pessoas diagnosticadas com o vírus em Pernambuco.

Até agora, o Governo de Pernambuco confirmou 33 casos do novo coronavírus no estado. Desses, apenas cinco estão hospitalizados, 25 se encontram em isolamento domiciliar e os outros três estão curados. Nas últimas 24h foram confirmados dois novos casos da doença.

Fonte: Diario de Pernambuco

Ministério da Saúde pretende distribuir 10 milhões de testes do novo coronavírus

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, anunciou neste sábado que o governo está adquirindo um volume “significativo”de testes para o diagnóstico da Covid-19. Segundo ele, até a semana que vem, 5 milhões de testes terão sido distribuídos no Brasil, um número que, em algumas semanas, chegará a 10 milhões.

— Nós iniciaremos com cinco milhões de testes. Nós vamos chegar a 10 milhões de testes nas próximas semanas. O objetivo central dessa medida é que a própria OMS recomendou que se testasse para isolar. Ou seja, (que) fizéssemos muitos mais para que pudéssemos identificar as pessoa doentes e afastá-las — disse Wanderson.

Os testes que ainda vão ser adquiridos são mais fáceis de aplicar do que os 27 mil kits que foram distribuídos até agora para laboratórios de todo o Brasil, dos quais 10 mil neste fim de semana. Um mesmo kit pode ser usado para fazer o teste de até 23 amostras.

— O teste que nós estamos adquirindo agora é um teste rápido, sorológico. A gente vai pegar uma gotinha, como se fosse um teste de glicemia, e a partir de alguns minutos a reação vai informar se a pessoa tem ou não coronavírus. Isso só foi possível pela evolução da ciência, porque agora a gente conhece mais o vírus. As empresas, as indústrias que produzem esse teste estão começando a ter condições de fornecer em grande quantidade — explicou o secretário.

Fonte: O Globo

Número de casos de covid-19 confirmados no Brasil sobe para 1.128

O número de casos de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, subiu de 904 para 1.128 nas últimas 24 horas, divulgou ontem o Ministério da Saúde. O número de mortes aumentou de 11 para 18. Os dados consideram informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde até às 16h.

O Maranhão registrou ontem a primeira ocorrência da doença, detectada em um viajante que chegou de outro estado. No momento, apenas Roraima não registra nenhum caso.

De acordo com a contagem do ministério da Saúde, a região Sudeste registra o maior número de casos, com 642 confirmações. Em seguida, a região Nordeste, que soma 168 casos, a região Sul  com 154 casos, o Centro-Oeste com 138 e a região Norte, com 26. Do total de mortes, 15 ocorreram no estado de São Paulo; e as três restantes, no estado do Rio de Janeiro.

Pelo segundo dia seguido, o ministério da Saúde não divulgou o número de casos suspeitos. De acordo com o secretário executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, o reconhecimento de transmissão comunitária (quando não é mais possível traçar a origem da contaminação) em todo o país fez o conceito de casos suspeitos perder o sentido.

“Estamos numa situação em que já está caracterizada a transmissão comunitária. Agora, qualquer cidadão brasileiro com sintoma pode ser considerado caso suspeito, por isso não faz mais nenhum sentido divulgar esse número”, justificou Gabbardo.

Fonte: Agência Brasil