Vida FM Salgueiro FM

Personagem (XX)

banoUrbano Amâncio Pereira

O Blog Alvinho Patriota presta homenagem hoje para o cidadão salgueirense Urbano Amâncio Pereira, conhecido desde menino por “Bano”, que está completando nesta sexta-feira (15) seus 85 anos de vida. Trata-se de um trabalhador nascido em plena ditadura Vargas e que ainda hoje tem uma atividade laboral perene, com a mesma dedicação e zelo de um aprendiz que muito espera um futuro promissor.

Aposentado pela Prefeitura de Salgueiro, com um mísero salário mínimo, como encanador, Bano pode ser considerado o sapateiro mais antigo (e em atividade) no município e do resto do Sertão, com uma longa história – cheia de altos e baixos para contar, sem levar em conta que também se trata de um bom pescador (nas horas vagas).

Filho de família humilde, logo cedo começou a trabalhar com o pai na usina de caroá do industrial e comerciante Veremundo Soares, um empreendedor conhecido no pais inteiro, nos tempos em que ainda não existiam estradas. “Eu trabalhava botando lenha na caldeira; tempos depois comecei a trabalhar como aprendiz de sapateiro com Aderbal Conserva (que mudou de ramo para fotógrafo) e também passei uns tempos com Afonso Ferreira (o Afonsinho) e Pedro José, que tinham oficinas de sapataria, conta o velho artesão, com riqueza de detalhes, embora diga que “anda muito esquecido das coisas”. 

Mas o que mais marcou a vida de Bano, como sapateiro profissional, conforme ele mesmo lembra, foi sua ida para o Recife, em l950, onde viveu (e aprendeu) durante quase dez anos numa vida muito agitada na “Veneza Brasileira”. “Fui pensando que sabia de tudo, mas na verdade foi lá que eu aprendi com outros companheiros na Sapataria de Almeida e na sapataria de uma viúva que fornecia calçados feitos para as sapatarias e lojas da capital”, explica. 

Na luta em comunidade, Bano conviveu com trabalhadores idealistas e sindicalizados que brigavam por seus direitos, muitos que assumiam ser “comunistas fichados”. “Eu participei de uma greve junto com os comunistas, fui demitido mas a viúva pagou meus direitos. Peguei minhas ferramentas e fui embora”, comemora o sertanejo que tinha como endereço o Ibura, hoje um dos bairros mais populosos do Recife. De lá ele, como negro, ia para o Arruda torcer pelo Santa Cruz, “porque foi convencido que o Náutico era time de branco”. 

A última parada de Bano (depois de deixar o Recife) foi Araripina – antes de voltar definitivamente para Salgueiro, onde ainda hoje permanece. “Eu foi chamado por meu irmão João para botar um negócio em Araripina. Deu tudo errado e eu quebrei em apenas seis meses. Chegando em Salgueiro, recebi o apoio de Chico de Calista e voltei a trabalhar na minha oficina, já que trabalhar para os outros não presta”, comemora. 

Apesar de ser uma pessoa a bem informada, Bano diz que não teve muito tempo para estudar e o que aprendeu foi como aluno do Movimento Brasileiro de Alfabetização – Mobral, que, ironicamente, foi criado pelo regime militar de 1964.

Escrito por Machado