Adolescente de 16 anos é apreendido após ameaçar explodir e metralhar escola em Parnamirim-PE

Um adolescente de 16 anos foi apreendido por policiais militares do 8ᵒ BPM nessa quinta-feira, 30, na Rua 01 do bairro Cohab, em Parnamirim-PE, por ameaça de terrorismo. Segundo a polícia, a diretora da Escola de Referência em Ensino Médio (EREM) Odorico Melo denunciou que o rapaz estava mandando áudios no WhatsApp, intimidando todos da unidade escolar.

Nas gravações, o adolescente afirmava que iria colocar uma bomba dentro da escola e explodi-la, depois, causar um massacre usando uma metralhadora. Por essas ameaças, ele foi levado para a Delegacia de Polícia Civil na companhia da mãe e de conselheiros tutelares. Acabou submetido a um BOC (boletim de ocorrência circunstanciado) e liberado em seguida.

Da redação do Blog Alvinho Patriota

8 comentários sobre “Adolescente de 16 anos é apreendido após ameaçar explodir e metralhar escola em Parnamirim-PE

  1. Aldo Lustosa

    Acho que houve um pouco de exagero por parte da escola, eu conheço o menino e sei que ele é um garoto, esforçado, gosta de trabalhar para o seu próprio sustento. Sua é mãe batalhadora e o cria muito bem.

    1. Marília

      Não há exagero…Se mandou áudio com conteúdo ameaçador, a gestora fez o que deveria ter feito! Ela não é delegada para investigar ninguém. Tem o dever e a responsabilidade social diante de um ocorrido desse, em face da onda de massacre que vem acontecendo, de denunciar! Correta atitude! Se não tem intenção para que mandar áudio? É brincadeirinha, por acaso!?

  2. Raquel

    Eu fazeria o mesmo que Geane, ela não fez apenas que o trabalho dela e se isso viesse acontecer de verdade, ai vocês ia postar e comentar que ela era “irresponsável” por tanto vocês não devem fazer críticas a gestão da escola, isso que ela fez foi apenas para proteger o alunos da escola eu sei que esse menino não teria toda esse coragem porém ninguém conhece ninguém nesse mundo, so peço a vocês que não JULGUEM geane que ela fez mais que o dever dela.

    1. Flávia Lima

      Até onde eu sei ele ñ é órgão de pai, mãe e muito menos família, então a primeira atitude dela, em vez de chamar o Conselho tutelar e a policia, era chamar seus responsáveis para uma conversa, até pq ela conhece eles e muito bem.

    2. Janaína da Silva Vieira

      Mas ela como gestora, deveria ter chamado a atenção dele é de sua família para uma conversa, pois até onde eu sei, ela deveria ter investigado à história direito, e saber mais sobe o hitorico do garato , pois ele nunca apresentou nenhum tipo de comportamento agressivo ou algo do tipo, pois é um menino de bem, sei que ninguém conhece ninguém nesse mundo, mas ele, muito gente sabe do seu caráter e inclusive a escola também sabe, pois nenhum queixa na vida escolar esse menino tem, pois é um bom aluno e um bom amigo para seus colegas, o que ele falou não foi certo, mas a atitude dela para resolver a cituacão, não foi correta. Volto a repetir, deveria ter chamado os pais, e ter tido uma conversa.

  3. Janaína da Silva Vieira

    Um menino de bem, de um coração imenso, quem o conhece sabe, muita falta de profissionalismo da parte da gestão da escola, deveria ter chamado a atenção dele para uma conversa, e não espor o menino a tanta humilhação, vou defende-lo até onde eu poder, pois sei do caráter dele, e de sua família, filho de uma mulher guerreira, que soube muito bem criar o seu filho. Gledson é um bom filho, um bom amigo, um primo, um bom sobrinho, é uma pessoa de bem. Retirem isso, vocês estão fazendo uma família inteira sofrer. Pensem sobre isso. Mas ele não está sozinho não, ele tem pessoas que gostam dele, e saibam que são muita gente. Estamos com você Gledson.

    1. M. Carvalho

      O problema é que diante dos acontecidos isso foi uma brincadeira de muito mau gosto. E mais, não tem essa de ser de família ou não, os que cometeram esses atentados pelo Brasil também tinham família, isso não quer dizer nada. Se ela exagerou não podemos julgar pois na condição dela é uma situação delicada. E se fosse verdade? Aí iam acusá-la de negligência. Não estou defendendo ninguém, mas que reflitam dos dois lados. O garoto errou em mandar esses áudios.