Vida FM Salgueiro FM

Top 10: Notícias mais acessadas de 06/11/2017 a 10/11/2017

1 – Limpax Serviços realiza evento de confraternização para começar a atuar na limpeza pública de Salgueiro

2 – Estudantes da região de Pau Ferro estão há quase um mês sem estudar por falta de ônibus

3 – Magazine Luiza inaugura loja em Salgueiro nesta segunda-feira

4 – Caixa informa que vai entregar casas do Santo Antônio após repor material furtado e concluir saneamento

5 – Ministério Público pede providências após análises constatarem contaminação na água consumida pelos salgueirenses

6 – Gonzaga Patriota emite nota de esclarecimento sobre matéria veiculada pelo Fantástico

7 – Duas pessoas são sequestradas e roubadas na zona rural de Serrita-PE

8 – Mulher quebra o braço ao ser atropelada por carro no Centro de Salgueiro

9 – Assaltantes são presos após roubarem adolescente de 15 anos no Centro de Salgueiro

10 – Prefeitura de Salgueiro envia projeto à Câmara de Vereadores para modernizar a Administração Tributária

PPS ‘abre as portas’ para candidatura de Luciano Huck

O apresentador de TV Luciano Huck participou nas últimas semanas de três reuniões com líderes do PPS para discutir cenários eleitorais e a entrada no partido de membros do movimento Agora, do qual é participante. Os encontros trataram de eventual candidatura do próprio Huck. Pessoas que participaram das reuniões classificaram as conversas como “iniciais e promissoras”.

Embora o PPS pretenda divulgar sua posição em relação à sucessão do presidente Michel Temer apenas em março, durante sua convenção nacional, líderes do partido confiam na filiação do apresentador até o fim do ano. Huck se reuniu na quinta-feira, 9 no Rio, na casa do economista Armínio Fraga, com o deputado federal e presidente do PPS, Roberto Freire, e o ministro da Defesa, Raul Jungmann. Outras reuniões com Freire ocorreram em São Paulo e Brasília.

Ao ser questionada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a assessoria de imprensa do apresentador divulgou nota na qual admite as conversas políticas. “Como já foi dito, neste momento Huck não é candidato. Porém, ele está fortemente ligado aos movimentos cívicos do Agora e Renova. É natural estar conversando com todas as esferas políticas, inclusive com membros de partidos como o PPS. Uma posição pluripartidária. Ele tem muito respeito pelo Freire, Jungmann e Cristovam (Buarque)”.

O “flerte” de Huck com o PPS se deu por meio do Agora, movimento formado por empresários, acadêmicos e profissionais liberais. Segundo o cientista político e coordenador do Agora, Leandro Machado, Huck chegou até eles há cerca de um mês, por meio do irmão, o cineasta Fernando Gronstein, e tem participado de debates e reuniões, ouvindo e expondo ideias.

Fonte: Agência Estado

Cerca de 400 corpos encontrados em vala comum no Iraque

Pelo menos 400 corpos foram encontrados este sábado numa vala comum na cidade de Hawija, no norte do Iraque. Os cadáveres encontrados são de pessoas mortas pelo autodesignado Estado Islâmico, afirmou o governador regional de Kirkuk à AFP.

“Pelo menos 400 pessoas foram executadas”, disse Rakan Said, acrescentando que muitos dos corpos encontrados tinham um uniforme de prisioneiros, enquanto outros seriam civis.

A vala comum foi descoberta numa base militar a cerca de três quilómetros de Hawija. Esta cidade, próxima de Kirkuk, foi conquistado pelas forças iraquianas ao Daesh em outubro.

Desde que o grupo jihadista foi derrotado no Iraque, e mais recentemente também na Síria, que as forças iraquianas têm avançado pelo país, encontrando-o completamente devastado pela destruição causada pelo combate contra os terroristas que tomaram parte do Iraque em 2014.

Por isso, nos últimos meses, têm sido encontradas várias valas comuns, onde o Daesh depositava os cadáveres dos milhares de civis e opositores que foram assassinados pelo grupo.

Fonte: Notícias ao Minuto

Após assalto, GP do Brasil terá escolta e segurança será reforçada

Duas ações criminosas de assalto contra funcionários da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e da Mercedes na noite de sexta-feira vão fazer o esquema de segurança do GP do Brasil de Fórmula 1 mudar. A Polícia Militar vai aumentar o efetivo de trabalho nos arredores do Autódromo de Interlagos e ampliar o turno de trabalho. Uma das vítimas da violência, a equipe alemã, por sua vez, ganhará escolta policial em tempo integral. Ninguém ficou ferido nos incidentes.

A reportagem do Estado apurou que o esquema de segurança passará a ser em tempo integral na região do autódromo. Os bandidos se aproveitaram de uma brecha à noite, quando há menos movimento. Como solução, será reforçada a presença policial em faixas horárias específicas. Isso contempla os momentos de saída do público e dos integrantes da equipes, como, por exemplo, ao redor das 22h de sábado e das 23h30 de domingo. O mutirão vai terminar somente na madrugada de segunda-feira.

O chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, e o diretor da escuderia, o ex-piloto Niki Lauda, reclamaram em entrevistas sobre o episódio. Representantes da escuderia chegaram a se reunir no sábado pela manhã com a organização do GP para pedir auxílio. A Mercedes terá escolta policial especial até o fim da estadia no Brasil.

Um van com funcionários da escuderia foi cercada por um outro veículo na saída de Interlagos, na noite de sexta. Os bandidos chegaram a atirar e roubaram pertences das vítimas. Duas delas tiveram os passaportes levados, assim como celulares, relógios e dinheiro. O episódio motivou o protesto do tetracampeão mundial Lewis Hamilton.

“Algumas pessoas da minha equipe foram ameaçadas por armas na noite passada, quando deixavam o autódromo aqui no Brasil. Foram disparados tiros e as armas foram apontadas para a cabeça deles. Isso é decepcionante de saber”, escreveu no Twitter. “Isso acontece todo ano aqui. A Fórmula 1 e as equipes precisam fazer mais. Não há desculpas”, criticou.

Fonte: R7

MBL barra a entrada de repórter da Folha em evento em São Paulo

O MBL (Movimento Brasil Livre) barrou a entrada da jornalista Anna Virginia Balloussier, da Folha de S.Paulo, em seu 3º Congresso Nacional, que acontece neste sábado (11) e domingo (12), em São Paulo.

A jornalista foi informada por um dos líderes do grupo na manhã do primeiro dia de palestras, por meio do WhatsApp, que “o povo ficou chateado” com sua reportagem sobre o evento publicada no sábado pelo jornal, que não teria o “enfoque certeiro” (o título era “Moral e costumes entram em foco em congresso do MBL”).

Portanto, ela teria seu ingresso (R$ 100 pagos pelos dois dias de debates) estornado.

O texto trata do foco que o MBL vem dando a questões relacionadas a moral e costumes, a partir da polêmica da mostra “Queermuseu”, patrocinada pelo Santander Cultural em Porto Alegre.

A foto escolhida para ilustrar a matéria no site também desagradou -a imagem de camisas vendidas na edição de 2016 do congresso, com dizeres como “direita transante”.

O MBL diz que não abriu credenciamento de imprensa para a conferência e chegou a oferecer um convite para a reportagem fazer a cobertura do congresso. O jornal optou por adquirir um tíquete para a profissional.

Outro jornalista da Folha de S.Paulo tinha sido escalado para cobrir o evento e entrou comprando ingresso.

Fonte: Folhapress

Aécio Neves admite que PSDB deve deixar base do governo Temer

O presidente afastado do PSDB, senador Aécio Neves, admitiu nesse sábado, durante convenção estadual do PSDB em Belo Horizonte, que já existe um consenso na legenda de que está chegando o momento de deixar a base de apoio do presidente Michel Temer (PMDB).

“Há um convencimento de todos nós de que está chegando o momento da saída (do governo Temer). Mas quero sugerir aos dois candidatos (à presidência do PSDB), o governador Marconi Perillo e o senador Tasso Jereissati, que convoquem os ministros do PSDB para definir o momento da saída. Vamos sair pela porta da frente, da mesma forma como entramos”, afirmou Aécio.

O tucano, no entanto, ressaltou que essa discussão está sendo alimentada dentro do partido por parlamentares que não querem defender reformas implementadas pelo Palácio do Planalto, especialmente a reforma da previdência. Aécio afirmou que no início do governo Temer defendeu que o PSDB não participasse do governo, mas que a decisão de assumir ministério foi tomada pela maioria da legenda.

“A minha posição era de apoiar as reformas, mas sem participar do governo naquela época. O partido entendeu diferente. Agora, não posso aceitar essa pecha de que a presença do PSDB é fisiológica como se tem dito por aí. Ela não é. Vejo nessa discussão, de alguns que estão com a garganta pronta para gritar Fora Temer, uma desculpa para não se votar a agenda de reformas necessárias para o país”, disse o senador. 

Fonte: Estado de Minas