Vida FM Salgueiro FM

Mais visto

Top 10: Matérias mais acessadas de 03/04/2017 a 07/04/2017

1 – Família de adolescente assassinada em Parnamirim-PE realiza protesto por justiça

2 – Servidores municipais de Salgueiro indicam possível estado de greve caso prefeito não conceda reajuste

3 – Professora Audeci Goes é nomeada para o cargo de secretária de Educação de Salgueiro

4 – Criança de seis anos morre atropelada por caminhão em Serrita-PE

5 – Salgueiro: Ministério Público Federal agenda audiência pública sobre Residencial Santo Antônio

6 – Autoridades políticas de Salgueiro pedem curso de Medicina em reunião com o reitor da UPE

7 – Policial militar acusado de matar adolescente em Parnamirim-PE se entrega à justiça

8 – Jovem salgueirense é contemplada por projeto do Ministério da Educação e vai fazer intercâmbio na Alemanha

9 – Grupo com cerca de 15 assaltantes invade Serrita e explode agência bancária

10 – Casa do Sanfoneiro de Salgueiro vai reabrir este mês com nova direção

Em Harvard, Dilma diz que Lula ganha a eleição, faz autocrítica e evita falar de Moro

Dilma Rousseff falou na tarde de ontem a uma plateia ilustre em Harvard no seminário Brazil Conference, organizado pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), sobre o seu tema predileto — o “golpe” — mas não só. Falou também sobre Lula, democracia, eleições, crise, Lava-Jato e governo Temer.

Foi aplaudida (pouco) e vaiada (também pouco). E se disse preocupada com uma eventual prisão de Lula.

— Ele tem 38% nas pesquisas, depois de tudo o que fizeram com ele. Não me importa se ele ganhará ou perderá. Deixem ele concorrer para ver se ele não vence…

Seguiu o script esperado. Criticou a terceirização e o corte de gastos do governo Temer.

Sobre a Lava-Jato considerou que o governo Temer não está conseguindo contê-la. E, repetindo um discurso que já fazia enquanto presidiu o Brasil, afirmou que o seu governo viabilizou a delação premiada e a punição de corruptos.

E que jamais interferiu na Lava-Jato. Mandou um recado também: não é admisível que um juiz fale fora dos autos e que seja amigo do réu.

Dilma recusou-se, porém, a responder perguntas da plateia sobre Sergio Moro. Prudente, disse:

— Vocês estão doidos que eu responda sim ou não sobre as atitudes dele. Mas passo a pergunta.

Dilma condenou a criminalização da política, que “só favorece a direita atrasada”. Aplaudida moderadamente, complementou:

— Em 2018, o Brasil tem um encontro marcado com a democracia.

No meio da palestra chegou a reclamar dos organizadores por causa do tempo da palestra (neste sentido, está sendo a Dilma de sempre). Tempo curto para ela. Nem tanto para a plateia.

Na plateia, gente como Jorge Paulo Lemann, José Eduardo Cardozo, Fernando Haddad, Gilberto Gil, Eduardo Suplicy, Luciano Huck, Oskar Metsavaht e Nizan Guanaes.

Houve espaço também para autocrítica:

— O erro gravíssimo que cometi foram as desonerações. As empresas lucraram mais  e não repassaram para investimentos o que ganharam.

Fonte: Blog de Lauro Jardim

Ataques de coalizão dos EUA deixam ao menos 15 mortos na Síria, incluindo crianças

Ataques aéreos da coalizão liderada pelos Estados Unidos na Síria atingiram hoje duas regiões no norte do país matando pelo menos 15 pessoas, incluindo uma mulher e seus seis filhos, que estavam fugindo dos conflitos em um barco, segundo ativistas dos direitos humanos.

Milhares de pessoas de áreas controladas pelo Estado Islâmico estão tentando fugir da violência durante as preparações para a captura da cidade de Raqqa, no norte do país, que é considerada a capital dos extremistas. Ativistas e moradores disseram que os militantes estão forçando os civis a ficar, para usá-los como escudos humano quando a ofensiva começar.

Mais cedo, ativistas disseram que os ataques aéreos conduzidos pela coalizão no vilarejo de Hneida matou pelo menos 14 civis, incluindo quatro crianças. O Observatório Sírio para Direitos Humanos com sede no Reino Unido disse que 15 pessoas, incluindo quatro crianças, foram mortas por um ataque aéreo.

Além disso, a TV estatal síria disse hoje que um bomba explodiu a bordo de um ônibus que transportava trabalhadores nas proximidades da cidade de Homs, na Síria, matando uma mulher e ferindo outras 25 pessoas.

Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque até o momento. O braço do Al-Qaeda na Síria e o Estado Islâmico conduziram ataques similares no passado.

Rebeldes sírios e seus familiares estão evacuando a última vizinhança controlada por opositores do regime de Bashar al-Assad em Homs, sob um acordo com o governo.

Fonte: Agência Estado

Personagem (XXII)

17741174_1326124880817640_117918911_nO personagem de hoje é o Pe. Remi, que está em Salgueiro desde o começo dos anos 90 e completou recentemente 50 anos de sacerdócio. Leia um pouco da história deste religioso contada pelo radialista e historiador Thiago Lima, da rádio Asa Branca AM.

Padre Remígio de Vettor SdC, nasceu em 06 de Janeiro de 1939 num vilarejo no norte da Itália entre Veneza e a Áustria, numa região montanhosa chamada de Dolomitas. O povoado tinha cerca de 200 habitantes e era um vilarejo de agricultores que trabalhavam na montanha cortando grama para se manter. Sua família era uma das mais numerosas do lugar, sua mãe teve oito filhos. Em meio a todo este cenário humilde, viveu o Padre Remi os primeiros anos de sua vida.

Em 1945 o pequeno Remi perdeu o seu pai assassinado durante a Segunda Guerra Mundial, com isso sua família passou por uma série de dificuldades. Para poder ter um futuro melhor, o então órfão de guerra foi acolhido no colégio Guanelliano; tinha, então oito anos de idade. Foi nesse colégio que ele cursou os seus primeiros anos de estudo. Quando chegou na quinta série teve que decidir se voltava para a família para ser um agricultor ou pensava em alguma coisa. Como a Congregação dos Servos da Caridade oferecia outras oportunidades de estudo, ele acabou ficando e, naquele ano, fez um retiro no qual expressou o seu desejo de ser padre e missionário tendo, inclusive, a oportunidade de ir para fora da Itália, mas era preciso ir para o seminário que ficava longe de sua terra. O seu ingresso no seminário aconteceu quando ele tinha onze anos de idade e lá viveu por 16 anos.

Foi um choque grande para o jovem Remígio sair do seio de sua família, do carinho materno, para viver a rigidez e disciplina próprias de um seminário. Enfrentou várias dificuldades durante seu tempo de seminarista, vendo sua família somente uma vez por ano, mas a sua vocação amadureceu e em 01 de Abril de 1967, foi ordenado sacerdote. Uma vez ordenado, Remi já sabia que o seu destino seria cruzar o oceano Atlântico para o Brasil. Antes disso ele tinha o desejo de ir para a África, mas como a Congregação dos Servos da Caridade não tinha obras no Continente Africano teve que escolher a América-Latina. Seu superior lhe deu a opção de escolher entre o Chile e o Brasil, Remi quis vir para o nosso país, devido ao contexto social que o estado brasileiro vivenciava com a mal governabilidade e com os direitos humanos violados: a Ditadura Militar.

Em 1968 chegou ao Brasil  e seu primeiro trabalho foi em um educandário que acolhia 120 crianças na periferia de Porto Alegre-RS. Em seguida foi para a Rio de Janeiro trabalhar em outra área periférica onde ficou por 11 anos  no meio das crianças e os mais necessitados. Vendo a necessidade de atuar no lugar mais pobre, com seca e fome, que se via na época na mídia nacional, decidiu vir juntamente com o Pe. Lino Della Morte SdC, para o nordeste nem meados da década de 80. Como eram considerados padres aventureiros, Remi e Lino viajaram de fusca do Rio de Janeiro a Petrolina chegando a Pernambuco em 1986.

No dia 12 de Junho de 1986, o então Bispo da Diocese de Petrolina Dom Frei Paulo Cardoso da Silva, O.Carm., nomeou os Padres Remi e Lino para os cuidados pastorais das paróquias de Granito, Sitio dos Moreiras (Moreilândia), Serrita e Cedro. Pe. Remi passou cinco anos evangelizando nesses lugares. Remi chegou a Salgueiro em 1991 em meio a um dos momentos mais difíceis da história da cidade, a violência estava grande no município, o Padre José Maria Prada havia sido assassinado. Já era certa a vinda de Pe. Remi para Salgueiro, mas esse ato violento antecipou o momento. Certa vez um homem de Salgueiro procurou Pe. José Maria para se casar. Nada demais se ele já não fosse casado. O indivíduo mentiu dizendo que havia residido com uma mulher em outra cidade, mas não tinha se casado. Não acreditando na versão do homem, Pe. José Maria entrou em contato com a paróquia da outra cidade e conseguiu uma certidão de casamento dele. Por ser casado, o sacramento do matrimônio não poderia ser realizado. Mediante a recusa, o indivíduo disse que o mataria se ele não efetuasse o casamento, mas o padre não quebrou as regras da igreja. No dia 29 de abril de 1991, o sujeito, contrariado, tirou a vida do servo de Deus às 11h dentro da estrutura da secretária paroquial da Igreja de Santo Antônio. A missa de corpo presente  teve participação de todo clero da Diocese Petrolina e de uma multidão de fiéis da cidade e vizinhança. No enterro o caixão foi coberto com a camisa ensanguentada do mártir.

A cidade de Salgueiro precisava naquele momento de uma mudança e sabendo disso, Pe. Remi passou a liderar uma sociedade que estava a mercê da criminalidade, com sua coragem passou a enfrentar e não aceitar qualquer ato violento. Por causa disso a população passou a ter uma maior consciência de seus direitos. Com o crescimento da participação e mobilização da população liderada pelo Padre Remi, a igreja de Santo Antônio passou a não comportar o número de fiéis que vinham participar das celebrações, por isso então as missas passaram a ser campais.

Além da violência, Salgueiro tinha uma grande taxa de pobreza no início da década de 90 sem falar na seca que assolava a região. Vendo estes problemas sociais, o pároco da então matriz de Santo Antônio passou a buscar obras socias que ajudassem os mais necessitados. Para o enfretamento da seca foram construídas mais de 70 barragens na região, as verbas foram conseguidas através de doações de franceses, italianos, dentre outros. Outra obra importante foi a “Vaca Mecânica” que distribui até hoje leite de soja para crianças e idosos de áreas pobres da cidade. Pe. Remi também liderou a construção de creches que atendem crianças carentes de Salgueiro. Estas são só algumas das obras socias por ele idealizadas e geridas.

O Padre Remi deu sua contribuição para a organização de pastorias em Salgueiro, pois na época a única Paróquia existente na cidade era a de Santo Antônio. Com reuniões de formação muitas lideranças surgiram nas pastorais, sem contar na preocupação que o Padre Remi teve em organizar o espaços físicos para os encontros e organização das pastorais. Uma das primeira aquisições foi o CEPAMA (Centro Pastoral Mandacaru), local onde se encontra instalada hoje a Casa de Acolhimento São Francisco de Assis e o Propedêutico da Diocese de Salgueiro.

Atualmente Padre Remi é Vigário Paroquial  da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Salgueiro.

Maioria dos moradores de SP é contra Doria abandonar cargo para disputar eleições em 2018

Uma pesquisa do Datafolha mostrou que a maioria dos moradores da cidade de São Paulo é contra a candidatura de João Doria (PSDB) à Presidência do País em 2018.

Segundo a pesquisa, 55% dos entrevistados acreditam que Doria deve cumprir seu mandato como prefeito.

Apenas 13% disseram que ele deveria se candidatar a governador do Estado e 14% a presidente.

Doria terminou o primeiro trimestre de seu mandato com aprovação recorde de 43%. Outros 20% reprovam a gestão e 33% a consideram regular.

Considerado um dos nomes fortes para disputar a Presidência em 2018 pelo PSDB, o prefeito de São Paulo, Doria afirmou ao R7 que foi eleito para comandar a capital paulista e avalia que o pleito do ano que vem “está muito longe” de acontecer.

Fonte: R7