Plantão Covif-19: Lista dos serviços essenciais conforme Decreto Presidencial

Por ordem de Bolsonaro, PSL abandona base do governo Witzel

O PSL, partido com mais deputados na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), decidiu deixar a base do governador Wilson Witzel (PSC), conforme foi antecipado pela colunista do Extra Berenice Seara. A decisão foi comunicada oficialmente nesta segunda-feira, por meio de nota. A ruptura ocorreu após Bolsonaro condenar entrevistas de Witzel à revista Época e à GloboNews nas quais o governador fez críticas à gestão do presidente e manifestou intenção de se lançar candidato à Presidência. Segundo fontes,  a ordem para a saída do governo do Rio partiu do presidente Jair Bolsonaro. Por meio do Twitter, o presidente, porém, negou a informação: “Não determinei nada. Fakenews!”

Todos os 12 deputados estaduais do PSL terão que entregar os cargos que mantêm no governo, inclusive a deputada federal Major Fabiana, nomeada no mês passado por Witzel para a Secretaria de Vitimização, pasta que dá assistência a policiais e vítimas de bala perdida. Vice-líder do governo Witzel na Alerj, Alexandre Knoploch (PSL) também deixará a função.

Deputados do partido aguardam orientação de Flávio Bolsonaro, presidente do PSL-RJ, para saber qual será o nível de oposição ao governo Witzel – o senador está em viagem à China. Uma preocupação é a mudança brusca de discurso, já que dez parlamentares do PSL são próximos de Witzel. Indagado sobre a possibilidade de reaproximação, Dr. Serginho, líder do PSL na Alerj, respondeu:

— Nenhum dos deputados presentes na reunião manifestou qualquer discordância quanto a sair da base do governo Witzel. Todos aceitaram a orientação que foi enviada — disse.

Fonte: O Globo

Gilmar Mendes diz que membros da Lava Jato cometeram crimes

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, voltou a criticar duramente a cúpula da Operação Lava Jato.

Em entrevista recente, Gilmar afirmou que o STF não pode se curvar à popularidade do ministro da Justiça, Sergio Moro, e que membros da Lava Jato deveriam assumir que foram “crápulas”, confessar seus crimes e sair de cena.

Para ele, as mensagens hackeadas divulgas pelo site Intercept desnudam um “jogo de promiscuidade” no seio da operação.

“Simplesmente dizer: nós erramos, fomos de fato crápulas, cometemos crimes. Queríamos combater o crime, mas cometemos erros crassos, graves, violamos o Estado de Direito”, afirmou o ministro.

Na entrevista, Gilmar defende ainda o encerramento do “ciclo de falsos heróis”, em alusão a Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da operação em Curitiba.

Gilmar acrescentou que o STF e o Congresso foram vilipendiados pela Lava Jato e pela mídia.

“Esse fenômeno de violação institucional não teria ocorrido de forma sistêmica não fosse o apoio da mídia. Portanto, são coautores dos malfeitos”, complementou o ministro, segundo o site Congresso em Foco.

Fonte: Renova Mídia

ANP avalia que ataque à Arábia Saudita vai valorizar leilão do pré-sal

O diretor-geral da ANP, Décio Oddone, avalia que o ataque feito por drones no último sábado (14) a instalações de petróleo na Arábia Saudita vai aumentar o interesse de companhias estrangeiras do setor em participar dos leilões de petróleo no Brasil, programados para os meses de outubro e novembro.

“Aumenta a percepção de risco no mercado de petróleo, o que deve se refletir nos preços, mesmo após a retomada plena do suprimento saudita, o que valoriza o pré-sal e os demais ativos brasileiros”, disse Oddone, por meio de nota divulgada ontem (16).

No mercado financeiro, o ataque também traz impactos, de acordo com o economista-chefe da Daycoval Asset Management, Rafael Cardoso. “Do lado mais amplo e incerto, [o ataque] levará à elevação da tensão geopolítica na região. Em relação aos impactos econômicos globais, há a alta do preço do petróleo, como já está ocorrendo, mas que não deve se perpetuar devido à retomada da produção saudita nos próximos meses ou à expansão da oferta por parte de outros participantes [da Organização dos Países Exportadores de Petróleo – Opep].” 

Para o economista, se houver alta de inflação nos países, ela deverá ser momentânea até a normalização da oferta de petróleo em um contexto global. “Neste sentido, deverá haver pouca implicação para a decisão dos bancos centrais em reduzir as taxas de juros, dado o choque passageiro”.

Cardoso disse que a elevação momentânea dos preços, seguida de normalização, bem como a não implicação para a política monetária, valem também para o cenário nacional, onde “o Banco Central está em meio a um ciclo de queda da taxa (básica de juros) Selic”.

O Índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), fechou o dia em alta de 0,17%, com 103.680 pontos. As ações preferencias da Petrobras (Petrobras PN N2) foram as mais negociadas do pregão e tiveram uma alta de 4,39%. As ações ordinárias da estatal (Petrobras ON N2) também fecharam em alta de 4,52%.

Fonte: Agência Brasil