Varginha-MG: Polícia identifica 3 dos 26 mortos em ação contra ‘novo cangaço’

A Polícia Civil de Minas Gerais disse ter identificado três pessoas mortas após a ação conjunta da Polícia Militar e da PRF (Polícia Rodoviária Federal) que matou pelo menos 26 suspeitos, em Varginha, no Sul de Minas, na madrugada de domingo.

São eles: Gerônimo da Silva Sousa Filho, de 28 anos, nascido em Porto Velho (RO); Nunis Azevedo Nascimento, 33, de Novo Aripuanã (AM) e Gleisson Fernando da Silva Moraes, 36, de Uberaba (MG).

“Os trabalhos de comparação são ininterruptos. Entretanto, a gente não tem como prever ou estimar uma data. Isso porque é preciso que haja um padrão de comparação de analogia. Os corpos que aguardam a identificação não entrarão em deterioração porque estão todos na câmara fria”, explicou o médico legista José Roberto de Resende, durante coletiva de imprensa, na noite de ontem.

Os suspeitos mortos estavam escondidos em duas chácaras onde arquitetavam um roubo aos moldes do que a polícia chama de “novo cangaço”, tática também conhecida como “domínio de cidades”. A ação seria semelhante ao ataque ocorrido em Araçatuba (SP), quando foi planejado um roubo de R$ 90 milhões.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, houve confrontos em duas chácaras. Na primeira abordagem, foram mortos 18 suspeitos e apreendidos dez fuzis, munições, granadas e dez veículos roubados. Na segunda ação, a polícia relatou que houve intensa troca de tiros, e sete suspeitos foram mortos, com três armas recuperadas, além de explosivos.

O tenente-coronel Flávio Santiago, do setor de comunicação da PM de Minas Gerais, disse que a intenção era prender os dois grupos de criminosos, mas houve reação. Como, segundo Santiago, os policiais ocupavam uma posição privilegiada, nenhum deles ficou ferido.

Fonte: UOL