Prisão de ex-assessor de Flávio Bolsonaro esquenta crise no país

A prisão de um ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, filho mais velho de Jair Bolsonaro, estreitou nesta quinta-feira o cerco em torno do presidente, que acumula reveses judiciais, em meio a uma instabilidade política agravada pela crise econômica e a pandemia do novo coronavírus.

Fabricio Queiroz, 54, foi preso na localidade de Atibaia, interior de São Paulo, na residência de um advogado que atua como defensor de Flávio Bolsonaro, indicou o Ministério Público de São Paulo (MPSP). Segundo a imprensa, o advogado também presta serviços ao presidente Bolsonaro.

Queiroz é investigado por suposta participação “em um esquema de desvio de vencimentos de servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro”, ressaltou o MPSP. O Ministério Público do Rio de Janeiro, que conduz as investigações, informou que também busca a mulher de Queiroz, considerada fugitiva.

Segundo responsáveis pela investigação citados pela imprensa, quando a polícia chegou à propriedade, Queiroz estava dormindo e não ofereceu resistência. Os agentes apreenderam documentos e dois celulares. Em seguida, transferiram o ex-assessor para uma prisão no Rio de Janeiro.

O caso surgiu no final de 2018, quando o Controle de Atividades Financeiras (COAF), do Ministério da Fazenda, descobriu atividade atípica na conta de Queiroz entre 2016 e 2017, de um valor de R$ 1,2 milhões.

Flávio Bolsonaro afirmou no Twitter que encara “com tranquilidade” a investigação sobre o ex-assessor, ex-oficial da Polícia Militar, julgando tratar-se de um novo capítulo para “atacar (Jair) Bolsonaro”.

“Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”, escreveu o filho do presidente.

Fonte: IstoÉ