Pfizer sai na frente para terceira dose contra Covid e aposta em vacinação frequente

Embalada pelo sucesso da vacinação contra a Covid, a Pfizer preparou uma estratégia para lidar com a doença nos próximos anos. A empresa já entregou mais de 1 bilhão de vacinas contra o coronavírus e espera produzir ao menos 2 bilhões adicionais de doses neste ano. Para 2022, diz ter capacidade de gerar mais 4 bilhões.

“Virtualmente todos os países do mundo estão discutindo conosco sobre doses adicionais”, disse Albert Bourla, CEO da empresa, em conversa com investidores no final de julho.

Para dar conta da demanda, a produção está sendo espalhada por vários países. Como parte dessa estratégia, no fim de agosto, a Pfizer anunciou uma parceria com a farmacêutica brasileira Eurofarma para fabricar 100 milhões de doses por ano no Brasil.

Isso apesar de, no Brasil, ter havido atritos com a gestão de Jair Bolsonaro. A empresa disse que ofereceu vacinas ainda em 2020, mas não obteve resposta. Depois, no começo de 2021, o governo se recusou a fechar a compra por questionar cláusulas do negócio, mas acabou fazendo um acordo e encomendou 100 milhões de doses em março e mais 100 milhões em maio.

Agora, o governo federal dará preferência para a Pfizer na aplicação da terceira dose, um dos mercados que a Pfizer está pronta para explorar.

Além disso, o ciclo vacinal inicial está longe de se completar na maioria dos países. Em todo o mundo, distribuíram-se 5,38 bilhões de doses de vacinas da Covid. Como a aplicação geralmente é feita em duas partes, há bilhões de pessoas ainda a serem imunizadas, especialmente na África, no Oriente Médio, no Sudeste Asiático e na América Latina.

A Pfizer também busca abrir novos flancos, como um tratamento oral para a Covid. Está em testes o fármaco PF-07321332, que foi projetado para bloquear uma enzima necessária para o coronavírus se multiplicar.

O laboratório saiu na frente várias vezes ao longo da pandemia. Nos Estados Unidos, conseguiu ser o primeiro a ter aprovação definitiva do FDA (órgão que aprova medicamentos nos EUA), em agosto, será opção para a terceira dose no país (ao lado da Moderna) e também está na frente para obter autorização para o uso do imunizante em menores de 12 anos, o que deve ocorrer até o fim do ano.

A aprovação definitiva nos EUA abriu espaço para que mais empresas e órgãos de governo exijam a vacinação de seus colaboradores, pois tirou o argumento de grupos antivacina de que se tratava de um produto experimental.

Fonte: Folha de S.Paulo