Espanha reabre fronteiras e sai do estado de emergência

A vida está aos poucos voltando ao normal na Espanha, país que chegou a ser, ao lado da Itália, o epicentro da pandemia de coronavírus em meados de abril. Neste domingo, 21, passageiros portando máscaras e malas circulavam livremente pelo principal aeroporto de Madri, enquanto os franceses aproveitavam para cruzar a fronteira em carros e caminhões para comprar álcool e tabaco por um preço mais barato. Depois de uma rígida quarentena, a Espanha reabriu suas fronteiras para a maioria dos países europeus e deixou o estado de emergência declarado para conter o contágio da enfermidade.

As fronteiras espanholas foram abertas a todos os países da União Europeia, exceto a Portugal — por medida de reciprocidade, portugueses só poderão ser autorizados a viajarem à Espanha em 1º de julho. Passageiros provenientes do Reino Unido também estão autorizados a entrar em território espanhol. Com isso, projeta-se um grande estímulo ao turismo, setor da economia responsável por mais de 12% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Especialistas alertam, no entanto, que a atitude do governo local, que pretende usar o verão do hemisfério norte para mitigar os danos da enfermidade para sua economia, pode ser arriscada e levar a Espanha a contrair uma nova onda de casos de Covid-19. A nação europeia registra hoje mais de 246.000 pessoas infectados e ao menos 28.322 mortos pela enfermidade.

As medidas vão além disso. Turistas britânicos, por exemplo, poderão entrar na nação espanhola sem passar por quarentena. E os espanhóis também foram autorizados a circular livremente pelo país a partir deste domingo. Desde 14 de março, estava proibido transitar de uma região a outra da Espanha. As medidas foram anunciadas pela ministra das relações exteriores da Espanha, Arancha González Laya. “Permitiremos que os visitantes britânicos entrem na Espanha, assim como do resto da União Europeia ou do espaço Schengen, a partir de 21 de junho, livremente e sem a necessidade de quarentena”, disse a ministra, em entrevista à BBC News, no sábado, 21.

A utilização de máscaras em espaços públicos continuará sendo imposta para ocupar locais onde não se possam respeitar o distanciamento social mínimo exigido. Todos os passageiros que chegarem ao país espanhol terão sua temperatura medida e serão indagados a indicar de onde vêm e a relatar sua localização na Espanha, caso precisem ser localizados.

No primeiro trimestre deste ano, apesar de a atividade econômica funcionar normalmente em janeiro e fevereiro, o PIB da Espanha retraiu 5,2%, mais que o dobro do período mais difícil da recessão econômica de 2008, quando a economia decaiu 2,6%. Segundo um relatório da OCDE, o PIB do país despencou 23,3% desde o início da pandemia. Na zona do Euro, a derrocada foi de 18,4% em média, em igual período. Um estudo recente da agência pública CIS constatou que 65,7% dos espanhóis não planejam sair de férias neste verão. O medo de contágio pelo coronavírus e a incerteza econômica para o futuro do país foram os fatores mais citados pelos entrevistados.

Fonte: VEJA