De olho em cepa indiana, SP estuda circulação de variantes de coronavírus

A Prefeitura de São Paulo iniciou um novo estudo sorológico para identificar a circulação de variantes de coronavírus na capital. Medidas foram agilizadas após a identificação da cepa indiana em um navio atracado no Maranhão.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, a medida ainda é preventiva, sem casos suspeitos na cidade. O estudo é feito junto ao Instituto Butantan e a USP (Universidade de São Paulo).

“Para que a gente possa se preparar e detectar, eventualmente, as variantes que estão circulando aqui na cidade”, afirmou Aparecido em um evento de vacinação nesta manhã.

“O estudo detecta o sequenciamento genético do genoma de todas elas, mas, sobretudo, a preocupação é identificarmos a indiana”, completou.

Não há um número limite para a coleta. Segundo Aparecido, testes positivos de PRC são recolhidos em todas as regiões da cidade há cerca de três semanas e enviadas ao Butantan para análise.

Os resultados deverão ser divulgados em 20 dias.

“Vocês têm notícia do navio que atracou no Maranhão com três casos [da variante indiana] constatados pela Vigilância Sanitária do Maranhão e também já confirmados na Argentina, que é muito próxima. Então São Paulo já está se preparando caso essa variante venha a circular na cidade”, declarou o secretário.

Fonte: UOL