Crivella diz que flexibilização do isolamento ainda não é válida na cidade do Rio de Janeiro

O prefeito Marcelo Crivella disse na tarde deste sábado, dia 6, que nada muda no decreto de isolamento imposto como prevenção contra o coronavírus, pelo menos até este domingo. Haverá uma reunião com o Comitê científico e o Conselho de crise para deliberarem se mantêm as regras atuais na cidade ou se seguirão alguma determinação do governador Wilson Witzel.

— São recomendações do governador e não determinações. As curvas têm sido favoráveis porque há um afastamento social que mantemos nos níveis atuais. É preciso ter uma noção disso. Se não mantivermos esse afastamento, o que tudo indica é que podemos voltar aos níveis anteriores. Não é o desejo de ninguém. Se nós voltarmos aos parâmetros piores em lugar de retomarmos à normalidade, teremos que voltar atrás. E aí o processso todo se atrapalha. Pelo menos, até amanhã, nada muda — disse Crivella.

O prefeito acrescentou que concorda com o governador em liberar a abertura das igrejas, porque o risco de contágio é pequeno, já que os fiéis seguem a orientação de padres e pastores. A regra só não está valendo ainda porque a justiça tem que avaliar informações repassadas pela prefeitura para entender que a medida seja tecnicamente viável.

Perguntados sobre a abertura de bares e restaurantes, segundo o decreto do governo do estado, sem que a prefeitura tenha deliberado, Crivella disse que as atividades serão o fiscalizadas e orientadas a fecharem as portas. Mas multas não serão aplicadas.

— A prefeitura vai notificar. O decreto do governador criou uma certa insegurança jurídica. As pessoas podem se confundir e achar que o que é uma recomendação seria uma determinação. Pedimos para que nao abram o comércio e aguardem a reunião. E se forem notificados, por favor, fechem as portas — justifica o prefeito.

Fonte: O Globo