Aos 100 anos, ex-guarda de campo de concentração vai a julgamento por crimes nazistas

Um ex-guarda do campo de concentração de Sachsenhausen, agora com 100 anos, vai a julgamento na Alemanha nesta quinta-feira (7), acusado de contribuir para a morte de mais de 3 mil pessoas durante a Segunda Guerra Mundial.

Os promotores acusaram o homem, que foi membro do partido nazista, de ter ajudado na morte de 3.518 pessoas no campo de concentração de Sachsenhausen. Ele atuou como guarda na torre de vigia entre 1942 e 1945.

Os médicos disseram que o homem, que não foi identificado por causa das convenções alemãs sobre o relato de julgamentos criminais, só poderá ser julgado em sessões limitadas a duas horas e meia por dia.

Entre os crimes que os promotores afirmam que ele contribuiu estão disparos contra prisioneiros e a morte de outros com Zyklon-B. Gás venenoso também usado nos campos de extermínio onde milhões de judeus foram mortos no Holocausto.

“Ele é acusado de contribuir para assassinatos cruéis e traiçoeiros”, disse o tribunal em Neuruppin, perto de Berlim, em um comunicado, acrescentando que o homem contribuiu para “criar e manter condições de risco de vida no campo”.

Nos últimos anos, diversas acusações têm sido feitas contra ex-guardas de campos de concentração, agora idosos, por crimes contra a humanidade cometidos durante a Segunda Guerra Mundial.

Fonte: CNN