Ponto de Vista: Quota para cargos eletivos sem remuneração!

ALVINHO VERDEReclamam-se muito dos altos valores pagos aos políticos, quer detentores de cargos eletivos do executivo (presidente da república, governadores, prefeitos e seus vices), quer do legislativo (senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores).

De fato, os gastos são exorbitantes, concorrendo para elevar os custos da máquina pública, sendo que boa parte dos detentores de mandatos não tem precisão das remunerações. Outros passam a ser verdadeiros profissionais da política, defendendo muito mais as suas reconduções aos cargos do que propriamente os direitos do povo.

No passado, o exercício de cargos políticos no Brasil não era remunerado. Os eleitos se dedicavam a servir à coletividade, tratando a coisa pública com probidade, exercendo o mandato sem se usufruírem de vantagens, constituindo-se num verdadeiro sacerdócio o mandato que o povo lhes outorgava.

Vemos, aqui e acolá, mais hipocrisia do que tratamento com seriedade da coisa pública, políticos forjando austeridade, “renunciam” parte de suas polpudas remunerações, em determinados períodos para aparecerem bonito na fita e angariarem mais apoios políticos, visando às próximas eleições.

Outros, no entanto, com seriedade trabalham incessantemente em benefício da população, sem sequer pensarem em remunerações, face as suas condições financeiras favoráveis, estando na política por amor e patriotismo.

Algumas propostas de emenda à Constituição têm sido barradas, em face de serem discriminatórias, especialmente em relação às regiões mais pobres do país, porque não dizer, o Norte e o Nordeste, como por exemplo, àquela que propunha acabar com a remuneração dos vereadores de municípios com até 50 mil habitantes. Outra discriminação da proposta, na minha ótica, era o fato de direcionar sua mira apenas aos parlamentares municipais.

Assim, como a lei eleitoral vigente estabelece quotas de gênero no legislativo, de forma que não pode se candidatar mais de 70% de homem ou mulher, do número de vagas disponibilizado, sugerimos uma PEC – Proposta de Emenda à Constituição, para que fique reservado o percentual de 30% àqueles que quiserem se candidatar sem remuneração.

A mesma opção fosse dada aos cargos executivos, no ato de registro das candidaturas, ou seja, dizerem se queriam ser remunerados ou não.

Assim, haveria uma considerável economia para o país, da ordem de 1/3 das despesas despendidas com pagamentos de remunerações (subsídios) dos detentores de mandatos políticos, sem impor aos mesmos, coercitivamente, essa condição, mas, a opção de se candidatar com ou sem remuneração.

Escrito por Alvinho Patriota

6 comentários sobre “Ponto de Vista: Quota para cargos eletivos sem remuneração!

  1. Inês Soares

    Olá amigo, bom dia. Certamente concordo que os políticos não deveriam ser remunerados, como era no passado. Deveriam pensar mais no POVO, proporcionando melhores oportunidades de vida, cultura e a verdadeira cidadania.
    Só lamento que ninguém ou pouquíssimos, seguirão essa nobre missão de amor ao próximo.
    Está uma horror assistir a televisão que não mostra a total verdade dos bastidores da “vergonha”dos nossos políticos. A impressão que se dá e que a intenção é aproveitar o cargo para usufruir e fazer o que estão fazendo… São cidadãos de boa aparência fisica, mas, sem o temor de Deus. LAMENTÁVEL!
    E nós assistimos e sofremos as consequências.

  2. Arnaldo Luciano de Alencar

    Já faz algum tempo que não escrevo para este grandioso Blog,mais não poderia deixar de dar minha humilde opinião sobre um assunto como este,eu acho que todo detentor de mandato tem que ter salário,agora que seja condizente com o cargo e não distante da realidade do que ganha os trabalhadores em um modo geral,vejamos quantos vezes por semana trabalha um Deputado Federal,Estadual e um vereador quantos dias trabalha por Mês? isso sim é que que ser visto,Pernambuco está entre os cinco estados onde um Deputado custa mais caro no Brasil,a despesa de cada deputado em nosso estado é de mais de R$ 110.000,00 por mês,aí onde é preciso rever quantos assessores é preciso para cada Parlamentar,agora mesmo a Assembleia legislativa de pernambuco vai cortar cinco assessores de cada Deputado,gente isso significa 245 cargos a menos e quantos ainda vão ficar? nas camaras de vereadores a mesa pratica também é comum se achar vários ex parlamentares e aliados dos seuss presidentes ganhando salários que não condizem com a realidade,na minha opinião a camara deve ser mais transparente a totalmente independente pois,quando se ver o Prefeito fazendo o que quer com o dinheiro Público a nada acontece pois,o prefeito tem maioria na câmara os vereadores de oposição tem que recorrer ao ministério Público e cobrar mais responsabilídade do Gêstor pois quando se ver um ato que pode ser considerado de Improbidade administrativa o ministério Público deve ser acionado para que se manifeste sobre o assunto e a lei seja protegida de qualquer ato ou desmando com o dinheiro do contribuinte.A Câmara de Salgueiro precisa ser parceira comum do Ministério Público,pois caso como que aconteceu na última audiência Pública pode lavar a Camara de Vereadores de Salgueiro a cair na descrença e isso é algo que não pode acontecer pois na Câmara está a os escolhidos para representar o povo.

  3. Jacques

    Alvinho, parabéns pelo texto.
    Estamos orgulhosos em termos vc em nosso PV.
    Vamos trabalhar e torcer para que o partido cresça e se torne cada vez melhor.
    abração, Jacques.

  4. George

    Alvinho, boa noite!

    Os fatos são claros, a maioria dos políticos, hoje, defendem os seu mandatos e planejam de que forma poderão se perpetuar no cargo e ao mesmo tempo utilizam-se do mandato para enriquecer.

    Sou a favor que os mandatos não sejam remunerados, pois desta forma teremos a certeza que quem assumir será por unica e exclusiva para defender os direitos do povo. Vamos em frente.

  5. Pedro

    Muito bem exposto.
    A declaração de bens, feita pelos políticos para à justiça eleitoral
    pode fazer uma espécie de filtro por parte do judiciário proibindo que políticos interessados apenas na remuneração se candidatem.
    É justo dizer também que as atividades desempenhadas pelo executivo e legislativo ocupam boa parte do tempo daqueles que participam das assembleias e derivadas atividades destes poderes. Sendo assim, é justo que àqueles que trabalham diariamente em busca de melhorias nos âmbitos municipais, estaduais ou federais recebam remuneração por isso.
    Destarte, conclui-se que o problema das candidaturas não está exatamente na remuneração fixada para os agentes públicos, e sim nos candidatos que pouco se preocupam com a população no geral.

  6. Jornalista Machado Freire

    Esta é uma ideia magnifica, Alvinho.

    Vamos engrossar o caldo, levar a ideia para a rua.

    Vamos nos articular com a estudantada, com as igrejas e a sociedade civil em geral.

    Na matéria especial que publiquei na Folha do Sertão sobre o ex-vereador Firmino Menezes, de Parnamirim, mostramos que ele foi vereador cinco vezes, sem qualquer remuneração. Quando vereador passou a ser remunerado, seu Firmino Menezes tentou
    voltar à Câmara de Vereadores duas vezes e não conseguiu.

    Está claro que o dinheiro contribui para a eleição de muitos políticos, deles que não valem nada.

    A propósito, esta semana eu conversei com um vereador em Salgueiro e perguntei por que ele não se firma como um parlamentar de oposição e organiza uma bancada oposicionista na Câmara.

    Ele se mostrou contra e deu uma resposta simplesmente ridícula: “ a gente não pode se queimar !”.

    Então, está claro que essa gente recebe o voto do povo (de qualquer maneira) se
    elege por uma coligação, não assume o compromisso assumido com a coligação a que esteve ligado, nem ao povo que ele elegeu pensando se tratar de um político que mantém a palavra.

    O que deve ser feito, então ?

    Vamos pra rua mostrar quem é quem na política de Salgueiro !

    Além, claro, de mostrarmos que vereador não precisa nem deve receber alta
    remuneração. Bastam dois salários mínimos.

    Um garí passa com um salário mínimo, um trabalhador rural também recebe um salário mínimo depois de sofrer durante muitos anos de seca.

    Uma professora municipal não ganha mais do que R$ 2 mnil.

    Por que, então, um vereador ganhar mais de R$ 5 mil? Um prefeito mais de R$ 15 mil?

    Vamos unir a juventude, as donas de casa, os comerciantes, empresários em geral para tomarmos providências para reduzir os salários dos vereadores, prefeitos e vice.

    Essa ideia precisa ser disseminada por todo o Pais.

    Não vamos gastar nada para levarmos nossas ideias para as ruas.

    Juntem-se a nós

    A hora é agora, sim senhor !!!