Ponto de Vista – Insegurança em Salgueiro

ALVINHO VERDENo nosso Estado, Pernambuco, desencadeou uma onda de violência sem precedentes nos últimos tempos. As manchetes de notícias dão conta diariamente de assassinatos em todas as regiões.

Salgueiro, uma das cidades mais pacatas, onde durante muito tempo o índice de homicídios era praticamente zero, tem registrado nos últimos dois anos uma onda crescente de violência com sinais de “execução”, envolvendo em quase sua totalidade, ex-presidiários, muitos dos quais ainda beneficiários do regime semiaberto.

Além disso, assaltos ocorrem todo momento, detonação de caixas eletrônicos, carros fortes nas estradas, além de furtos pela cidade.

Neste domingo a ousadia dos assaltantes foi tamanha, ao renderem a família do vereador Pedro de Compadre, presidente da Câmara de Vereadores de Salgueiro, que foi levado como refém e liberado em seguida. Roubaram dois veículos de sua residência na fazenda.

Ouça esta notícia (acessibilidade):

Escrito por Alvinho Patriota

3 comentários sobre “Ponto de Vista – Insegurança em Salgueiro

  1. Maria Valverde de lima

    Só não entendi o que o carro da câmara de vereadores estava fazendo na casa do vereador em pleno domingo,que eu saiba carros oficiais é para ser usado em serviço, logo Pedro que tanto fala em seus discursos na tribuna da câmara em economia e anda com um carro oficial em pleno final de semana em suas fazendas, será que existe coerência em suas palavras ou sua atitude fala por se só?

  2. Machado Freire

    Diante desses fatos, observa-se que a insegurança-violência parece acompanhar uma verdadeira “onda” de criminalidade que liga o estado do Cais ao Sertão.

    Pelas informações sobre o episódio que envolveu o vereador Pedro de Compadres e sua família, os bandidos teriam agido de forma profissional sem deixar pistas.

    É uma situação desanimadora porque no mesmo dia ocorreram dois ataques as agências bancárias de Verdejante Terra Nova.

    Foram três casos muito graves registrados em três municípios distantes menos de 40 quilômetros.

    A quem reclamar e a quem pedir providências em um estado onde ocorrem 50 homicídios em um fim de semana.