Vida FM Salgueiro FM

“Não somos pautados por artigo de revista nenhuma”, diz ministro do Meio Ambiente

Na mais recente edição da revista norte-americana Science, especializada em ciência, a publicação deu espaço a uma carta assinada por mais de 600 cientistas de instituições europeias. Entre eles, menos de dez são brasileiros. Os especialistas exigem que a União Europeia imponha contrapartidas ambientais e sociais na hora em que for concretizar negociações comerciais com o Brasil.

Questionado por VEJA sobre a possibilidade de o Brasil sofrer impactos econômicos, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, respondeu: “nós não vamos ser pautados por artigo de revista nenhuma”. Na sequência, Salles afirmou que “o Brasil tem leis para serem cumpridas. Um programa de trabalho do governo foi escolhido pela população nas eleições e, portanto, será isso o que vamos fazer. Escrever a carta é um direito que eles têm, faz parte, mas isso não vai pautar o trabalho do Ministério”.

Entre janeiro e abril de 2018, as exportações nacionais para os 28 países que fazem parte da UE aumentaram 34,4%. O Brasil é hoje o terceiro maior destino de capitais provenientes das nações da UE, perdendo apenas para os Estados Unidos e a Suíça.

Ainda em abril deste ano, foi noticiado que a França se opôs ao início de qualquer negociação com países que estejam fora do Acordo de Paris, principal tratado internacional para o clima, como é o caso dos Estados Unidos. Vale destacar que o Brasil ainda é signatário do acordo.

“Vamos aguardar o caso concreto. A imagem do desmatamento no Brasil não vem de agora. O desmatamento aumentou nos últimos dois anos. Não tem nada a ver com o nosso governo e nada a ver com a política que estamos fazendo. Essa atitude teria que ter sido tomada no final do governo da Dilma. Se não tomaram essa atitude, foi por questões ideológicas e essa é outra discussão”, afirmou o ministro.

Durante o período ao qual Salles se refere, entre 2015 e 2016, de acordo com o PRODES, sistema de monitoramento do governo para a Amazônia brasileira, o aumento no desmatamento foi 30% em relação ao período anterior. De acordo com o SAD, sistema de monitoramento do Imazon (ainda não há dados do PRODES para 2019), o desmatamento entre agosto de 2018 (fim do governo Temer) e março de 2019 (início do governo Bolsonaro) aumentou 24%, em comparação ao mesmo período do ciclo anterior.

A carta publicada na Science, os cientistas querem assegurar que o país cumpra a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, da ONU. Em relação ao ambiente, destacam que é preciso “aprimorar processos para rastrear commodities associadas ao desmatamento (…) para definir critérios sociais e ambientais para negociar”. E mais: “As florestas, os manguezais, o Pantanal e o cerrado do Brasil são cruciais (…) para a estabilidade do clima global”.

Fonte: VEJA