Plantão Covif-19: Lista dos serviços essenciais conforme Decreto Presidencial

Ministério Público ingressa com ação civil pública para melhorias na Cadeia de Afogados da Ingazeira

Através da 1ª Promotoria de Justiça de Afogados da Ingazeira, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ingressou com uma ação civil pública (ACP) na Vara Cível do Município, para que o Estado de Pernambuco realize melhorias na Cadeia Pública de Afogados da Ingazeira. O MPPE cobra providências como a reforma da estrutura e ampliação da unidade e a nomeação de novos agentes de segurança.

No texto da ACP, o promotor de Justiça André Ângelo de Almeida destaca que, embora estejam segregados da sociedade, os presos ainda possuem direitos à integridade corporal e moral. “Do mesmo modo, os funcionários que desempenham suas atividades em estabelecimentos penais e a população circunvizinha jamais podem perder seu direito à incolumidade física, moral e patrimonial”, argumenta.

O MPPE, em visita ao estabelecimento prisional no último dia 12, constatou ausência de serviços de assistência médica e assistência odontológica; falta de enfermaria e farmácia para o fornecimento de medicamentos; e inexistência de assistências educacional, social ou psicológica. Ademais, a estrutura física necessita, urgentemente, de reforma e modificações, como melhoria no sistema de higiene, iluminação interna e externa, instalação de mais câmeras, entre outras.

A instituição requer liminarmente que o Governo de Pernambuco, no prazo improrrogável de 30 dias, reforme a cadeia e passe a fornecer regularmente: alimentação, vestuário, colchões e itens de higiene aos presos. Em paralelo, devem ser realizadas melhorias no alojamento dos agentes públicos e na segurança interna. Além disso, o Ministério Público pede a nomeação de pelo menos quatro agentes de segurança penitenciário no prazo de 60 dias, sob pena de multa diária.

Da redação do Blog Alvinho Patriota