Plantão Covif-19: Lista dos serviços essenciais conforme Decreto Presidencial

Doze militares viram réus no caso de carro alvejado por tiros em Guadalupe

A juíza federal substituta da Justiça Militar Mariana Queiroz Aquino aceitou, neste sábado (11), a denúncia do Ministério Público Militar, e os 12 militares do Exército viraram réus no caso do carro atingido por dezenas de tiros em Guadalupe. Na ação, um músico e um catador foram mortos.

Os militares vão responder por homicídio qualificado, tentativa de homicídio qualificada e omissão de socorro.

Na sexta-feira (10), o Ministério Público Militar denunciou os doze homens pelas mortes do músico Evaldo Rosa dos Santos e do catador Luciano Macedo, no dia 7 de abril. Os dois foram baleados pelos militares, que alegam terem confundido o carro com o de assaltantes.

O documento do MP Militar cita laudos que apontam terem sido disparados 257 tiros de fuzil e de pistola. O carro em que estava o músico, que morreu na hora, foi atingido por 62 disparos. O sogro dele, Sérgio Gonçalves de Araújo, ficou ferido na ação.

A mulher de Evaldo, o filho do casal e uma amiga deles também estavam no veículo e não se feriram.

O catador Luciano Macedo foi baleado quando tentava ajudar Evaldo Santos, que teve o carro atingido pelos tiros quando seguia com a família para um chá de bebê. Ele estava internado desde o dia do crime e morreu no hospital no dia 18 de abril.

Fonte: G1