Disparos em massa no WhatsApp continuam mesmo após proibição

Os disparos em massa de mensagens no WhatsApp ainda são utilizados na campanha das Eleições 2020, mesmo estejam proibidos há quase um ano pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo a Folha de S.Paulo, algumas empresas seguem oferecendo esse serviço para candidatos a prefeito e vereador.

A reportagem se baseou em uma denúncia do candidato a vereador por São Paulo, Todd Tomorrow (PDT). Após ter recebido várias mensagens por e-mail, WhatsApp e Facebook com a oferta de serviços de disparos de mensagens em massa, ele decidiu ligar para as empresas e gravar as ligações.

Uma delas é a Bom Brasil, nome fantasia para Brasil Opções de Mercado. A empresa anuncia bancos de dados para envio de mensagens no WhatsApp com nome, endereço, bairro, renda e data de nascimento de eleitores. Uma lista com 20 mil contatos, por exemplo, custa R$ 1.800.

A Bom Brasil oferece o disparo de mensagens em massa como um serviço separado. Cada contato feito por SMS custa R$ 0,09, enquanto no WhatsApp o valor chega a R$ 0,15. Ao entrar em contato com a empresa, o candidato recebeu a informação de que, conforme a quantidade, o custo pode cair para R$ 0,12, caso a empresa realize os disparos, ou R$ 0,05, caso ele próprio faça a tarefa.

Em seu site, a Bom Brasil também anuncia uma ferramenta para extrair dados de perfis do Instagram e do Facebook. Com ela, é possível buscar de forma automatizada por contas que utilizaram uma hashtag específica para obter nome e celular dos usuários. A empresa também indica que consegue automatizar o envio de mensagens diretas no Instagram e a publicação de comentários em perfis.

Ainda de acordo com a Folha, o proprietário da Bom Brasil afirma que a empresa é apenas uma afiliada da Housoft, que criou as ferramentas de disparo em massa de mensagens e extração de dados de perfis. A Housoft, por sua vez, alega que parte do pressuposto da boa fé de seus clientes e que não controla o objetivo de cada um. O Facebook e o WhatsApp afirmam ter enviado notificação extrajudicial para a Housoft interromper o serviço.

Fonte: Terra