Cidadão denuncia que avó de 86 anos passou quase 10 horas esperando e não foi atendida no Hospital Regional Salgueiro

Na noite dessa sexta-feira, 19, recebemos uma denúncia de descaso no Hospital Regional de Salgueiro. O cidadão Marcleiton Martins, morador de Salgueiro, disse que sua avó, Albertina Soledade de Jesus, 86 anos, voltou para casa sem atendimento médico, depois de esperar por quase 10 horas pela boa vontade de um ortopedista.

De acordo com Marcleiton, a avó ficou das 10h30 até por volta das 20h sentada em uma cadeira de rodas esperando para retirar um gesso do braço direito. Sempre que os familiares perguntavam, as atendentes diziam que o médico iria recebê-la, mas a idosa acabou ficando sem a assistência.

“Nós soubemos que o médico saiu dizendo que não voltaria mais e que viria outro ortopedista, porém esse também não chegou, visto que aconteceu um imprevisto com ele na estrada”, reclama o denunciante.

Os familiares estão indignados com esse fato e reivindicam que as autoridades políticas do município e do Estado tomem alguma atitude para que isso não aconteça com outras pessoas.

Da redação do Blog Alvinho Patriota

12 comentários sobre “Cidadão denuncia que avó de 86 anos passou quase 10 horas esperando e não foi atendida no Hospital Regional Salgueiro

  1. Alvinho Patriota

    Bem conciso o comentário do Dr. Carlos Eduardo no que se refere à atuação dos competentes profissionais citados, os quais bem conhecemos e confirmamos as assertivas.
    Veio à tona um quadro que demonstra a falta de presença do Estado na saúde pública do interior: apenas 3 profissionais para cobrir uma população superior a 270 mil habitantes, ou seja, um médico ortopedista para não menos de 90 mil humanos.
    Importante também que o Hospital se pronuncie através de sua assessoria de Comunicação, de forma oficial.
    Este blog que iniciou neste mês a sua adolescência – 12 anos, foca na responsabilidade e transparência de suas publicações, por isso, se coloca à disposição das autoridades para que tudo seja esclarecido e tomadas as devidas decisões a fim de que fatos dessa natureza não fiquem sem explicação do órgão público competente.
    Alvinho Patriota

    1. Carlos Eduardo Quirino

      Como falei anteriormente, o serviço eletivo está operando bem. O que foi apontado, mas ja esclarecido pelo familiar ( filho da paciente) foi uma tentativa de consulta forçada em urgência, porém a necessidade da paciente era de acompanhamento ambulatorial, uma vez que ja tinha sido realizada o atendimento de urgência em São Paulo. Como o próprio filho disse que ja havia marcado a consulta de acompanhamento para o dia 26/02 no hospital Regional Inácio de Sá ( trâmite correto para manutenção do fluxo de atendimento) local onde ela fará o acompanhamento do atendimento iniciado em São Paulo. Não houve omissão da equipe de urgência, sendo que o medico plantonista estava priorizando o atendimento a um grave acidente.

  2. Maria José

    Um estabelecimento de saúde dirigido pela mesma equipe por mais de 20 anos,é impossível ainda ter acertos.Uma ditadura construída às custas do silêncio dos trabalhadores e do sofrimento da população.Governador,o povo de Salgueiro não aguenta mais esse domínio de uma propriedade pública.!

    1. Carlos Eduardo Quirino

      Trabalho lá há 14 anos e a retórica da administração sempre foi a mesma : “acolhimento humano ao pacientes”. Me orgulho e desconheço (não sou da administração) melhor equipe na região para administrar uma estrutura tão complexa e com recursos exíguos como o Hospital Regional Inácio de Sá. Infelizmente não tem como está 100% ao lado de todos os funcionários, que como ocorre também em outros locais, não seguem os princípios do acolhimento humanizado. Outrora, infelizmente, só vemos repercussão de episódios distorcidos, como esse , e não as inúmeras realizações de acolhimento , salvamento de vidas , brutal número de atendimentos e cirurgias que está entidade fornece para Salgueiro e região. Compartilho da vontade e dos esforços da atual administração e aproveito o momento aqui para parabenizá-la, pois quem vê a exiguidade de recursos , as dificuldades pelas quais a administração deste hospital tem de enfrentar todos os dias e faz um paralelo com os seus resultados chega a ver um verdadeiro milagre,

      1. Maria José

        Não é necessário milagre…é necessário alternância de poder,doravante os argumentos não refletem a realidade e necessidade geral dos q ali necessitam do serviço.

  3. SÁVIO ALEIXO

    É MUITA FALTA DE HUMANIDADE.
    EU UMA VEZ,CHEGUEI TODO MACHUCADO DE UMA QUEDA,ERA QUASE MEIA NOITE,E AS ATENDENTES DISSERAM QUE O MEDICO ME ATENDERIA.
    E DEMORAVA,EU PERGUNTAVA NOVAMENTE,ELAS ENTRAVAM ONDE O MEDICO ESTAVA E VOLTAVAM DIZENDO QUE O MEDICO VEM JA LHE ATENDER,ATÉ QUE EU FALEI SERIO E FORAM LA CHAMA-LO,E O REFERIDO MEDICO VEIO COM CARA DE SONO,OU SEJA,ESTAVA DORMINDO NA HORA DO TRABALHO.
    ESSES HOSPIRAIS DEVERIA TER UM FISCAL GERAL PARA VER QUEM TA E QUEM NAO TA CUMPRINDO SUAS OBRIGAÇÕES.

  4. Aloísio Carvalho

    Primeiro quando for fazer uma denúncia temos que saber da veracidade do caso, e os princípios da história, Essa senhora é minha mãe. Estou indignado com a pessoa que fez a denúncia e a que publicou sem saber antes dos acontecidos, veja um pouco da história ela estava em São Paulo lá quebrou o braço passou uns dias sem levarem ela ao médico uma delas levou constatando a fratura do punho direito. Colocaram gesso e marcaram retorno para dia 11/02, só que tinha passagens para dia anterior ao retorno dela não levararam mais ao médico e viajararam, chegando aqui certifiquei se ela tinha tomado a vacina do covid 19 , falaram que não colocaram a vida em risco, peguei os papeis de retorno fui ao hospital marquei para o dia 26/02 antes falei com minha agente de saúde ela informou que o lote de vacina dela chegaria semana que vem, quer dizer no ato da marcação ela já iria está vacinada, mas uma pessoa com o intuito de mim prejudicar por não fazer uma adulteracao em um documento juntas com ligaram para o hospital se informou se tinha ortopedista falaram que sim levaram sem minha permissão duas irmãs e um sobrinho, falaram que ela tinha que ser atendida por ser idosa concordo se fosse urgência mais não era, mesmo assim eu a menina que marcou o retorno, fomos falar com o médico ele se prontificou de atende-lá, mas antes ia ver um acidente gravíssimo para vir atender minha mãe. No decorrer da cirurgia que foi complicada ele nem tinha almoçardo é terminou é com já tinha passado do seu horário foi no local do atendimento ambulatorial e não viu minha mãe foi para casa certo que outro assumiria o plantão sendo que o sussensor dele sofreu um acidente vindo de cajazeiras e teve seu veículo guichado sem ter como vi trabalhar. O Hospital entrou em contato com um outro médico ortopedista para atender só caso de urgência e emergência (Dr. Clério Sá) como o caso dela não é urgência ela foi para casa. Quem quiser saber pode mim ligar para melhor esclarecimento não houve nada de descaso houve pessoas querendo aparecer prejudicar outrem

  5. Cícero Ferreira da Silva

    Na verdade isso ocorre todos os dias e eui asseruim todo o hospital, quem quiser ver sofrimento vá até a pediatria ,lá as mães são tratadas com grosseria e ainda mandam ir comprar remédio pois lá só tem soro, a questão está no total abandono do hospital Inácio de Sá pelo o Estado e as autoridades competentes.

  6. Láys

    É triste uma situação dessa…mas já é de conhecimento de muitos que os únicos médicos que dão plantão integral, são os que vem de fora, os daqui, principalmente os ortopedista evoluem os pacientes e vão para as suas clínicas e consultórios particulares, só se houver uma emergência é que eles retornam ao hospital, isso foi dito por uma funcionária, que foi um acordo entre a diretora e os médicos.
    Então é bom né !???para eles !!!
    O povo que se lasque!!!ainda falam de honestidade!!!
    É só ligar para o hospital no dia do plantão e para o consultório, descobre rápido demais.denúncia no MP!!!
    FACIL DEMAIS !!!

    1. Carlos Eduardo Quirino

      Olá Lays, me chamo Carlos Eduardo Quirino , sou ortopedista do hospital regional Inacio de Sá e natural daqui de Salgueiro. A informação que você está passando aqui e que lhe foi passada por funcionária do hospital é errada. Existem dois tipos de serviço de traumatologia: o de emergência e de eletivas. Para o de emergência o hospital conta com dois ortopedistas de plantão de segunda a domingo, 24 horas por dia e do qual não fazemos parte, para a população que necessita de atendimento emergencial, no caso de quedas, acidentes …. . O outro são as cirurgias programadas , esse serviço é realizado por mim , Dr Valgrenio e Dr Clelio, nele nós realizamos em torno de 12 a 14 cirurgias de media a alta complexidade por semana , evolução diária de segunda a segunda, sem feirados de 12 leitos de enfermaria dos pacientes internados , e mais de 45 atendimentos de egresso , que é aquele fornecido a pacientes operados e que requerem acompanhamento durante todo o período até a consolidação . Isso nos rendeu uma homenagem do governo do estado como o serviço eletivo de traumatologia mais eficiente do estado de Pernambuco . Então essa informação que te foi passada e que você reproduziu aqui não bem a verdadeira. Sem esse serviço que prestamos pacientes com fraturas fechadas como de ombro, antebraço , braço , quadril , perna teriam de ser encaminhados para outras cidades como Petrolina , Caruaru e Recife. Outra coisa , nós não estamos em escala de plantão, então essa afirmativa de que se ligarem para os consultório em dia de plantão estaríamos no consultório se aplica a outras cidades mas não a nós aqui se salgueiro que nos desdobramos para não deixar filas longas. A nossa é a menor do estado e talvez do Brasil . Cuidamos de mais de 270.000 pessoas e somos apenas 3 . Se ligarem para o hospital nos dias que estamos realizando nossas atividades , ambulatoriais , de cirurgia e de evolução nos encontrarão lá. Mas no plantão nunca estaremos pq não somos da equipe de urgência. E concordo com você quanto a denúncia no MP.

  7. José

    Essa não é a primeira vez que casos como este acontecer no hospital de Salgueiro, já a paciente Socorro Braz deram a ela um atendimento diferenciado dos outros que ali aguardavam a sua hora pra consulta, afinal em que país estamos vivendo pra que ums tenha prerrogativas a mas que uma senhora que ficou aguardando por mas de horas por um atendimento médicos…autoridades do nosso município, promotor, juiz. delegado, pois pra mim isso é caso pra uma investigação ( caso de polícia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *