Câmara do Rio rejeita novo pedido de abertura de impeachment de Crivella

Por 24 votos a 20, a Câmara do Rio rejeitou ontem novo pedido de abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). A denúncia feita pelo PSOL tinha como objetivo apurar se houve crime de responsabilidade no episódio conhecido como o “QG da Propina” — suposto esquema de corrupção que, segundo o Ministério Público do RJ, contaria com a anuência do prefeito.

Este é o quinto pedido de impeachment levado a votação na Câmara durante o mandato de Crivella, que nas eleições deste ano é candidato à reeleição. O pedido anterior, rejeitado no último dia 3, tratava do episódio batizado de “Guardiões do Crivella”, caso que deu origem a uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito).

No plenário virtual, a discussão foi polarizada entre a oposição — sobretudo o PSOL — e os deputados da base governista. Enquanto a oposição elencava detalhes da investigação do Ministério Público, o líder do governo na Casa, Dr. Jairinho (PSC), apelava para que os colegas aguardassem a próxima eleição.

“No momento atual, o processo está na fase de inquérito. Mas os colegas que me antecederam já condenaram o prefeito. O chefe do Executivo não é investigado nem denunciado. Então, peço que tenham um pouco de cautela porque o processo terminaria daqui a três meses e temos novas eleições”, apelou.

Tarcísio Motta (PSOL) defendeu que os colegas seriam coniventes com o suposto esquema criminoso se não voltassem a favor da abertura do processo de impeachment.

“Há fortes indícios de que o prefeito liderou uma organização criminosa. E a solução para isso não é uma CPI, mas sim o impeachment”, apontou. “Quem não votar a favor do pedido de abertura dessa investigação será conivente com esse absurdo. Estamos cansados. Chega. Há indícios muito claros de um esquema criminoso”, protestou.

Fonte: UOL