Plantão Covif-19: Lista dos serviços essenciais conforme Decreto Presidencial

Jornal francês diz que Brigitte Macron ficou emocionada com movimento #DesculpaBrigitte

A imprensa francesa noticiou nesta terça-feira que o movimento #DesculpaBrigitte, lançado por internautas brasileiros após o presidente Jair Bolsonaro endossar um comentário que zombava da mulher do presidente Emmanuel Macron, 24 anos mais velha, chegou aos ouvidos da primeira-dama.

Segundo o Le Parisien, Brigitte Macron soube dos comentários pouco antes de retornar de Biarritz, onde aconteceu a reunião do G7 neste final de semana, e teria ficado emocionada com a demonstração de apoio brasileiro.

No sábado, um seguidor postou uma foto dos casais Macron e Bolsonaro em um post do presidente brasileiro, com a legenda: “Agora entende por que Macron persegue Bolsonaro?”. O próprio respondeu: “Não humilha cara. Kkkkkkk”.

O comentário foi acompanhado de uma montagem: de um lado, Emmanuel Macron e sua mulher Brigitte; e, do outro, o presidente brasileiro e sua mulher, Michelle, 27 anos mais jovem. A resposta de Bolsonaro viralizou e foi repercutida na imprensa francesa, que criticou a atitude sexista do presidente.

Na segunda-feira, o presidente francês, um dos maiores críticos da política ambiental de Bolsonaro, comentou a postagem de seu par brasileiro, afirmando que o comentário de Bolsonaro foi “extremamente desrespeitoso”, além de “triste” para os brasileiros e uma “vergonha” para as mulheres brasileiras.

Macron disse ainda que “respeita” os brasileiros, mas que espera que “eles tenham muito rapidamente um presidente que se comporte à altura” do cargo.

Fonte: Extra

Moro defende diretor da PF, cita avanços e admite ‘reveses’ no combate à corrupção

Cinco dias depois de o presidente Jair Bolsonaro dizer que poderia demitir o diretor-geralda Polícia Federal , o ministro da Justiça, Sergio Moro , decidiu defender publicamente o chefe da instituição, o delegado Maurício Valeixo . Na abertura de um seminário sobre corrupção no Ministério da Justiça, Moro cumprimentou as autoridades presentes ao evento, com uma deferência a Valeixo.

– Cumprimento especial ao diretor Maurício Valeixo, que tem feito um trabalho extraordinário aí à frente da Polícia Federal – disse Moro.

No seminário desta terça-feira, o ministro também falou sobre o compromisso que Bolsonaro teria com o combate à corrupção. Ele chegou a se explicar dizendo que foi esse “compromisso” que o fez aceitar o convite para ser ministro da Justiça.

– O presidente Jair Bolsonaro tem um compromisso com a prevenção e o combate à corrupção. Esse foi um dos temas centrais que me levaram a aceitar esse convite. Eu creio que o governo tenha avançado nessa área. Claro que, às vezes, há alguns reveses. Mas nós temos avançado no enfrentamento da corrupção – disse Moro.

O ministro não especificou quais seriam estes supostos avanços. Nas últimas semanas, Bolsonaro tem sido criticado por tentar interferir na Receita Federal, a Polícia Federal, na Unidade de Inteligência Financeira (UIF), ex-Coaf, e no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, responsável por mapear queimadas e o avanço do desmatamento na Amazônia. Ao mencionar o “compromisso” de Bolsonaro, Moro não deixou claro se estava fazendo um elogio ao presidente.

Fonte: O Globo

Bolsonaro diz que não ofendeu a esposa de Emmanuel Macron

O presidente Jair Bolsonaro negou nesta terça-feira (27/8/2019) as acusações de que teria ofendido a primeira-dama da França, Brigitte Macron, em post nas redes sociais.

Nesse sábado (24/08/2019), um seguidor postou foto dos casais Macron e Bolsonaro em um post do presidente brasileiro, com a legenda: “Agora, entende por que Macron persegue Bolsonaro?”. O titular do Palácio do Planalto respondeu: “Não humilha, cara. Kkkkkkk”. A esposa de Macron tem 66 anos e Michele Bolsonaro, 37.

Em entrevista, o chefe do Executivo afirmou que não ofendeu a mulher do mandatário francês. “Alguém colocou a foto lá e eu falei para não falar besteira”, alegou. Após se irritar com a insistência dos repórteres, frisou que jornalistas não merecem consideração. Logo depois, encerrou a coletiva.

Na segunda-feira (26/08/2019), ao lado do presidente do Chile, Sebastián Piñera, Macron disse que o comentário sobre sua esposa foi “triste” e “extremamente desrespeitoso” e disparou: “Os brasileiros merecem um presidente que esteja à altura do cargo“.

Fonte: Metrópoles

Segunda Turma do STF anula sentença de Moro que condenou Aldemir Bendine na Lava Jato

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (27) anular a sentença do ex-juiz Sergio Moro que condenou em 2018 o ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine na Lava Jato.

Bendine foi condenado por Moro a 11 anos de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Agora, com a decisão da Segunda Turma, o processo dele voltará à primeira instância da Justiça para nova sentença porque, para os ministros do STF, Bendine não foi ouvido na fase correta.

Na segunda instância, a condenação de Bendine foi mantida, mas reduzida para 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão. O processo não chegou a ser concluído, porém, porque ainda faltava a análise de um recurso.

Aldemir Bendine foi alvo de delações premiadas e, no entendimento dos ministros, deveria ter sido o último a falar no processo. Mas Sergio Moro, quando conduzia os processos da Lava Jato em primeira instância, determinou que ele e os delatores apresentassem as alegações finais no mesmo período.

Esta foi a primeira condenação determinada por Moro anulada pelo Supremo desde o início da Lava Jato, em 2014. A maioria considerou que há uma lacuna na lei da delação premiada, que não estabelece a ordem de fala no processo dos delatores e dos delatados.

Na prática, a decisão da Segunda Turma cria um novo entendimento sore a ordem de fala em alegações finais nos casos em que houver delação premiada.

A definição, porém, não derruba outros processos nos quais delatores se manifestaram no mesmo prazo dos delatados. Cada caso deverá ser analisado separadamente. Se a Primeira Turma tiver um entendimento diferente ou se a Procuradoria Geral da República recorrer, por exemplo, o tema poderá ser analisado no plenário, formado pelos onze ministros da Corte.

Fonte: G1