Vida FM Salgueiro FM

Top 10: Noticias mais acessadas de 20/05/2019 a 24/05/2019

1 – Justiça condena a 16 anos e seis meses de prisão PM que matou adolescente em Parnamirim-PE

2 – IF Sertão-PE inicia inscrições para concurso público com vagas de níveis médio e superior

3 – Acidente de carro mata mãe e dois filhos entre Serra Talhada e Bom Nome

4 – Polícia Militar recupera caminhão roubado em Salgueiro e detém 10 suspeitos

5 – Tribunal de Justiça abre seleção de estagiários com vagas para estudantes de Direito de Salgueiro

6 – Atleta de Salgueiro passa mal, mas termina “1ª Meia Maratona do River Shopping” em 5ᵒ lugar

7 – Duas vagas de emprego são disponibilizadas na Agência do Trabalho de Salgueiro

8 – Parceria entre Instituto Profissionalizar e prefeitura traz três cursos gratuitos para Salgueiro

9 – Foragido da Justiça do Distrito Federal, acusado por estupro de vulnerável, é preso em Salgueiro

10 – Jair Bolsonaro participa de inauguração de casas na tarde dessa sexta-feira em Petrolina

Governo vai alugar os imóveis do ´Minha Casa, Minha Vida´

O governo vai enviar até julho ao Congresso Nacional um projeto de lei para mudar regras do programa Minha Casa Minha Vida, revela o jornal O Estado de São Paulo.

Pelas alterações em estudo, beneficiários mais pobres, da faixa 1 (renda de até R$ 1,8 mil), não seriam mais proprietários dos imóveis – eles teriam de alugá-los por um valor simbólico.

A ideia é acabar com a comercialização irregular dessas casas, uma das principais falhas identificadas pelo Ministério do Desenvolvimento.

Para ter direito ao aluguel, eles teriam de passar por programas de capacitação.

Outra mudança em análise é aumentar exigências para o acesso de quem se enquadra na faixa 1,5 do programa (renda de até R$ 2,6 mil), na qual foi identificado grande número de inadimplentes.

Fonte: Paraíba Online

Com Avon, Natura ganha o mundo sem partir do zero

A estratégia de expansão da Natura a partir da compra de rivais multinacionais permitiu à companhia acelerar um avanço internacional iniciado há mais de 35 anos.

A aquisição da Avon, anunciada na quarta-feira (22), cria um grupo com faturamento anual superior a US$ 10 bilhões, 40 mil funcionários e presença em cem países.

A operação dá acesso à Natura a novos mercados com muito mais facilidade do que se a companhia fosse iniciar uma operação do zero, diz Renato Cotta, professor do Coppead, escola de negócios da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e que estuda internacionalização de empresas.

A simplificação ocorre pela possibilidade de aproveitar a estrutura da rival a ser incorporada, de um lado, e por ter uma competidora a menos no futuro, de outro, diz.

Também há ganhos ao incorporar a equipe e a experiência das competidoras.

Uma aquisição anterior da Natura, a da britânica The Body Shop, em 2017, ajudou a empresa a assimilar conhecimento sobre como vender a partir de lojas físicas, avalia Cotta.

Segundo relatório anual da Natura de 2018, a The Body Shop tem 2.900 lojas em 69 países. No mesmo período, a Natura tinha 45 lojas próprias em cinco países. No Brasil, a primeira foi aberta apenas em 2016, em São Paulo.

A rede de consultores que vendem os produtos da marca de porta em porta também deve crescer. Após a compra da Avon, serão 6,3 milhões deles. Segundo o relatório, eram 1,7 milhão em 2018.

Com a operação da semana passada, a Natura entra definitivamente para o ranking das companhias brasileiras mais internacionalizadas.

Fonte: Folha de S.Paulo

Papa insiste que o aborto equivale a recorrer a um assassino de aluguel

O papa Francisco disse neste sábado que a proibição do aborto era uma questão humana, não religiosa, e reafirmou que era equivalente a recorrer a um assassino de aluguel.

“É justo eliminar uma vida humana para resolver um problema? É justo contratar um assassino para resolver um problema?”, declarou o papa. “Não falem de religião quando se trata de uma questão humana”, acrescentou.

O pontífice argentino falou diante dos participantes de um colóquio sobre o combate ao aborto terapêutico, proposto nos casos em que os diagnósticos pré-natais revelam graves malformações.

“Nenhum ser humano pode ser considerado incompatível com a vida”, insistiu o papa.

Neste caso, o cuidado não é uma despesa, mas uma ajuda aos “pais para preparar sua dor e percebê-la não apenas como uma perda, mas como uma etapa […] Essa criança vai permanecer em suas vidas para sempre”, insistiu.

Para o papa, em vez de propor o aborto terapêutico, é preciso criar “redes de amor” para evitar que o medo da doença e do sofrimento condene as famílias à solidão.

Em outubro de 2018, o papa Francisco já havia comparado o aborto ao recurso a um matador, declarações que provocaram fortes reações.

Fonte: AFP

Professores erguem livro de Paulo Freire em foto com ministro da Educação

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a criticar o pensador Paulo Freire , questionando a eficácia de sua metodologia no ensino. Ele fez isso logo depois de posar para uma foto cercado de professores. Enquanto se reuniam ao redor de Weintraub para aparecer na imagem, alguns docentes ergueram livros de Freire, o filósofo Patrono da Educação Brasileira, cujas ideias são alvo constante de membros do governo de Jair Bolsonaro.

— Ninguém quis copiar Paulo Freire e os nossos resultados (em rankings de avaliação) são ruins. Se isso é sacrossanto e não pode ser dito, então podem atirar pedra. Não tem problema — disse Weintraub após se encontrar com os vencedores do prêmio Professores do Brasil, organizado pelo MEC.

No encontro com os 30 ganhadores do prêmio, todos da rede pública de ensino, o ministro ouviu relatos sobre os projetos vencedores, que muitas vezes envolviam realidades locais (protagonismo de jovens negros, identidade dos índios nos livros pedagógicos e violência na sociedade).

Dos docentes, ouviu também um apelo para que a profissão fosse valorizada e que o professor não fosse colocado como inimigo do povo. Alguns ainda argumentaram que é a universidade que produz conhecimento e faz a formação de docentes para que eles possam trabalhar na educação fundamental e no ensino médio.

Uma das professoras que participou do protesto silencioso de erguer livros de Paulo Freire, Ana Beatriz Maciel, afirmou que a manifestação foi respeitosa e que o objetivo é estimular o diálogo, mostrando a importância de Paulo Freire e o risco do corte de verbas nas universidades.

— Não viemos armados. Viemos para dialogar. Não sabemos dos efeitos (das políticas que podem ser adotadas) para daqui seis, sete meses — disse a professora de Angicos (RN), cidade em que Paulo Freire desenvolveu seu método de alfabetização de jovens e adultos a partir das realidades locais.

Fonte: O Globo